Joaquim Lúcio Cardoso Filho (Curvello, MG, 14 de agosto de 1912 — Rio de Janeiro, 28 de setembro de 1968) escreveu novelas, romances, poesias, diários, peças teatrais. Foi ainda cineasta e artista visual. Autor do clássico A crônica da casa assassinada e de Mãos vazias, romances adaptados para o cinema por Paulo César Saraceni e Luiz Carlos Lacerda, respectivamente, é considerado expoente da literatura de cunho intimista e introspectiva que despontou no Brasil na década de 1930, ao lado de Cornélio Pena, Otávio de faria e do poeta Vinícius de Moraes. Intensificou as atividades de cineasta e pintor ao sofrer um derrame cerebral, que o impossibilitou de escrever. Morreu em 1968 em consequências da doença e agora começa a ser conhecido mundialmente.

 
Recentemente, sua obra tem conquistado novos territórios, graças ao trabalho da Villas-Boas & Moss Agência Literária, pelas mãos de Luciana Villas-Boas. O livro foi traduzido para o inglês por Margaret Jull Costa, a mesma que verteu Saramago. Na Inglaterra, foi indicado pela BBC e nos EUA ganhou o prêmio BTBA de melhor livro de ficção traduzida. O livro acaba de ter seus direitos vendidos para a holandesa Arbeiderspers.
 
O curta-metragem a seguir, de 1993, traz depoimentos de Rachel de Queiroz, Lêdo Ivo, Antônio Carlos Villaça, Maria Alice Barroso, Paulo César Saraceni, Luiz Carlos Lacerda, Maria Helena Cardoso e Nelson Dantas. Elenco: Buza Ferraz. Direção e roteiro: Eliane Terra e Karla Holanda. Fotografia e edição: Eliane Terra. Produção: Eliane Terra, Karla Holanda, Dalvina Barbosa e Fátima Leal. Consultoria literária: André Seffrin.
 
Publicado originalmente em http://saopauloreview.com.br
 
Assista ao curta-metragem: