“Toda cidade é sempre uma estrada”


[Dílson Lages Monteiro]

 

Essas cidadezinhas 
de beira de estrada
se enfeitam de fetiches:
vendedores de milho 
e barraquinhas
chácaras paradas 
na contramão da luz
e o lugar certo 
da capelinha 
ou da igreja.

 

Essas cidadezinhas 
de beira de estrada
sem cheiro 
nem som
enchem o hálito
e o paladar
de visões 
e significados.

 

E os olhos da gente 
vão ficando 
pregados
nos postes
no mato.

 

Essas cidadezinhas 
de beira de estrada
ficam 
com um pedaço da gente
tatuado no corpo 
e nos becos.

 

Essas cidadezinhas
de beira de estrada...