A estréia de Dílson Lages Monteiro na ficção

 Cunha e Silva Filho

 

A história da literatura piauiense está a pedir uma história da ficção, se não com uma obra de maior alcance, pelo menos com uma boa síntese.
O Piauí não tem muitos autores no campo ficcional, como não possui muitos filósofos segundo, certa vez, afirmou em trabalho ensaístico o jurista Celso Barros Coelho e, ao que me parece, no conto é bem mais aquinhoado, e, quantitativamente, mais ainda o é na seara poética.
O primeiro ficcionista piauiense mais conhecido registrado pela historiografia foi Francisco Gil Castelo Branco (1848-1891), autor de Ataliba o vaqueiro (1878). Valendo-me das principais fontes da historiografia das letras piauienses, a indispensável e pioneira obra de João Pinheiro, Literatura piauiense – escorço histórico, aquela obra de Francisco Gil é por esse historiador considerada uma coletânea de contos, saídos a lume em folhetim do Diário de Noticias do Rio de Janeiro, no ano de 1875.1 Como salientei atrás, a fortuna critica de ficcionistas piauienses é escassa e, num cômputo geral, sobressaem alguns nomes mais conhecidos e poucos os mais festejados.
Dessa maneira, o surgimento de um novo autor no âmbito da prosa de ficção se reveste de momento auspicioso.
O mais novo autor piauiense é, agora, Dílson Lages Monteiro, escritor muito jovem ainda. Ele é de 1973, nascido em Barras, município do Piauí. É formado em Letras pela UFPI.
Dílson, como escritor, se estreou como poeta, com obras bem acolhidas pelos leitores e pela critica. Contudo, sua atividade se estende à prática docente, desenvolvida em moldes renovadores tendo como centro de interesse os estudos mais recentes da comunicação escrita, da análise do discurso, da lingüística textual, embasados em atualizada bibliografia e aperfeiçoada em frequentes cursos de especialização e atualização. Daí ter se tornado logo autor de uma bem realizada obra para a área da Redação, que é seu livro Texto argumentativo para o vestibular (2007), publicado em Teresina. Quão longe estamos, do Piauí dos anos sessenta em que os estudos de língua e literatura ainda se realizavam com tão precários recurso teóricos nesses dois domínios dos estudos literarios. O jovem professor mantém ainda dois encargos na área do conhecimento da escrita: tem seu Laboratório de Redação, que leva o seu próprio nome e diretor do prestigiado Portal Entretextos, um verdadeiro fórum cultural com ênfase em assuntos literarios e dispondo de um bom de competentes colaboradores .
Apesar da juventude, Dílson, dentre múltiplos afazeres, põe-se agora à prova de escritor de ficção cm o seu recém-lançado livro O morro da Casa-Grande.2
Propositalmente, usei, no parágrafo anterior, o termo “livro.” Sendo assim, me obrigo a penetrar no terreno da narratividade e, desta forma, me aproximar de uma classificação que a minha experiência teórica melhor indicar, posto que, por ora, provisoriamente.
Mais do que uma taxativa classificação genológica para a narrativa do livro do Dílson Lages, seria melhor me ater, primeiro, a alguns aspectos envolvendo a capacidade do autor em lidar com a criação ficcional, que para mim, em última instância, é o que mais importa.
Comparando esquematicamente os instrumentos da linguagem do autor empregados na sua produção poética, um dado favorável me vem à tona: a ideia propiciada pela leitura da sua narrativa teria aquela mesma sensação da leitura de um texto poético, não necessariamente da autoria de Dílson Lages, mas daquilo que a leitura de um poema nos provoca, uma camada de natureza opaca, de natureza, indefinida, que faria parte do ato da própria criação literária. E essa sensação aqui referida que me passou no momento da leitura aponta muito mais para a fruição de um texto bem pensado e elaborado, tocando os sentidos mais do que o mero ato comunicativo, mais do que o esforço despendido na análise da sua narrativa através do trabalho exaustivo da decomposição de seus elementos estruturantes.
Há um dado que muito conta a favor desse escritor: é que, ao lado da linguagem que, por vezes, tangencia a poetização do seu tecido literário, ao mesmo tempo existe um cuidado especial com a linguagem, com a sintaxe do discurso narrativo, e isso é bem visível no espaço do enunciado, no qual o lirismo de imagens forte e pontencialmente poéticas se casam, numa harmonia de um discurso que trai um sabor, - diria -, clássico, mas clássico sem ser arcaizante, clássico à maneira do que fez Graciliano ramos com o seu texto enxuto, comedido, sem arestas. Acompanha Graciliano Ramos no uso do discurso indireto livre. Usa às vezes enunciados de uma frase apenas, e nisso me lembra também Graciliano Ramos. Dílson Lages, atento aos segredos e ao domínio da comunicação literária escrita não esquece esse recurso retórico, emprega os termos regionais referentes a objetos, a expressões do vocabulário do mundo físico ou cultural típico piauiense que fazem ressoar saborosamente aos nossos ouvidos relembranças do nosso tempo de memória da terra. Prima pela correção sem os exageros do purismo anacrônico, usa da tmese, trabalha a frase até o seu limite máximo de correção, sem, todavia, tornar o discurso narrativo arrevesado. Não cria linguagem nos moldes de Guimarães Rosa, está mais para os escritores sóbrios, de texto legível, claro, cristalino. Na obra houve poucos erros gráficos.
O texto de Dílson nos empurra para a frente – li-o num dia -, nos força o intelecto e nos propõe indagações de ordem vária. Além disso, do início da narrativa até o desfecho, o comentarista dessa pequena narrativa não hesita em reconhecer estar diante de um narrador consciente de seu papel de escritor, de sua pessoal visão da existência dentro dos limites daquele recorte espacial e temporal - seu trabalho é com a memória imaginativa e histórica -, reunindo seres, crianças, mulheres, homens, velhos, natureza, hábitos rurais, costumes , ideologias implícitas, sentido religioso e formas de vida em decadência inescapável. Sua ambiência se passa entre o campo e a cidade interiorana dos anos cinquenta do século passado indo até aos inícios da década de sessenta daquele século. A extensão física da narrativa, segundo já assinalei, é pequena, nem dá pra nomeá-la de romance. Entretanto, o que verticaliza as possibilidades positivas da história relatada fica por conta do mundo interior de alguns personagens, com especial destaque para Marciano – símbolo da “ idade de ouro” – a infância.
Marciano, quer me parecer, é personagem perfeito na sua composição. Tem vida própria. Às vezes, durante a leitura de O morro da Casa-Grande, me veio à lembrança a autenticidade e ternura do personagem Ulisses, de O. G. Rego de Carvalho.3 Não que se tenha a mesma situação vivenciada pelo personagem-central do romance do autor de Oeiras, mas pelo bom resultado da composição do personagem Marciano – apenas uma menino, um adolescente de 13 anos, com uma enorme carga emocional, bem como com seus questionamentos próprios da idade, causando perplexidades aos adultos que o cercam. Inclusive Marciano é uma personagem que faz a travessia entre o campo e a cidade. Sua participação na história não pode ser negligenciada sob vários enfoques, social, histórico, ideológico, religioso etc. Não podemos negar ser Marciano uma das figuras centrais da narrativa
A fabulação tem, porém, restrito número de peripécias (embora padeça de um grande número de nomes de personagens apenas citados mas sem correspondente desempenho na história, ainda que como figuras secundárias) ou episódios mais relevantes à totalidade da narrativa, sendo que as duas principais, que impulsionam o narrador para a frente foram o acontecimento da morte trágica e misteriosa de Clemílson, com a forma engenhosa de relato não apresentando explicitamente alguns dados adicionais do incidente fatal, ou seja, deixando, a critério do leitor, algum espaço para especulação do fato. A outra seria os antecedentes e consequências da derrubada da Igreja Matriz de Barras, em 1963, com toda a sequela de desdobramentos religiosos, culturais, políticos e sociais ai implicados.
Os personagens outros que integram o plot, Genésio, coronel Custódio, coronel Alberto Pires, Deuciamar, a bisavó carola de Marciano, deixam lá suas marcas pessoais e inconfundíveis.
Entretanto, o leitmotif da narrativa não deixa de ser a derrubada da igreja na sua imbricação com a imagem fantasmagórica do morro da Casa-Grande. Nela podemos depreender toda a motivação do núcleo da narrativa. A Igreja da Matriz de Barras – e o relato reforça esse elemento com a chancela histórica de ilustrações inseridas no corpo da narrativa -, assim como de outras ilustrações e paisagens alusivas ao meio rural, a um antepassado histórico, ao rio Maratoã, a ruas de Barras a outros logradouros da cidade e, finalmente, a ilustrações representativas da Igreja da Matriz. Esses dados da realidade no campo e na cidade, por assim dizer, quebram a chamada ilusão ficcional, predispondo o leitor a uma volta ao mundo empírico e a ver a ficção como uma mera construção imaginativa mas não desligada dos seus liames histórico-culturais.
A Igreja da Matriz funciona como constante índice do desdobramento da intriga até o epílogo.O morro da Casa-Grande e a Igreja da Matriz são os dois esteios centrais do livro. Valem, portanto, como personagens-símbolos. Tudo no desenvolvimento da narrativa serve para encontrar seu ponto de convergência, o morro e a igreja, cujo passo final é a destruição da velha Matriz. A ausência dela explica a própria decadência da vida e da época do coronelismo, exemplificado na frase inicial do capítulo 23: “Coronel era gente que mandava.” 4Atente-se para a forma verbal pretérita “mandava”.
Não há como não pensar na ficção do “romance de 30”, com Fogo morto, de José Lins do Rego, com Vidas secas, de Graciliano Ramos, por exemplo. Num, por retratar a decadência rural, noutro, por linhas transversas, com personagens como Marciano e o cachorro Tubarão, que palpitam de vida e de humanidade. Claro é que no Morro da Casa-Grande a dramaticidade não voa tão alto nem tem a dimensão trágica das narrativas mais densas. No entanto, na ficção inaugural de Dílson Lages há sinais palpáveis de habilidade e criatividade. Nas descrições modelares da vida rural, da fauna e flora nordestinas, piauiense, diga-se mais exatamente.
Tampouco se ressente a obra do Dílson Lages de uma linguagem que demonstre ausência de recurso técnico-narrativos, visuais, de sondagem psicológicas( aqui se afastando de traço do gênero novela), de desenhos certeiros e objetivos n a caracterização dos personagens.Genésio, o agregado e capataz, por exemplo, é digno de nomeação pela vida que tem como criação literária. Marciano, nem se fala.
Vejo que os comentários que acabo de tecer, num apanhado geral, estão longe de fazer jus a outras camadas subjacentes que fazem dessa narrativa um deleite para a leitura de uma ficção que se recomenda por si mesma e, por outro lado, coloca, sob os ombros do autor, a responsabilidade de dar continuidade a uma carreira de prosador, já promissora por todas as qualidades ou restrições que lhe possamos fazer.
Não quero concluir meus comentários sem, pelo menos, fazer um enquadramento classificatório final. A narrativa de Dílson Lages se insere no gênero da novela. Não obstante propiciar ensejos para uma visão da existência fragmentária, a obra sinaliza, no seu conjunto de capítulos, para possíveis desdobramentos de “células dramáticas” ( Massaud Moisés) própria de uma novela e não de um romance, que é um passo final para descortinar uma visão totalizadora (Lukács). Em outros temos, para uma visão horizontal e vertical da complexidade da existência física, humana e mental.

NOTAS:
1 PINHEIRO, João. Literatura piauiense – escorço histórico. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves, 1994. Posfácio de Francisco Miguel de Moura. O leitor pode também consultar com proveito os historiadores Herculano Moraes, Francisco Miguel de Moura e Adião Neto.
2 LAGES MONTEIRO, Dílson. O morro da Casa-Grande. Teresina; Livraria Nova Aliança Editora, 2009.
3 CARVALLHO, O. G .Rego de. Ulisses entre o amor e a morte. 7. ed. Meridiano, 1989.
4 LAGES MONTEIRO, Dílson. Op.cit., p. 95.
1 PINHEIRO, João. Literatura piauiense – escorço histórico. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves, 1994. Posfácio de Francisco Miguel de Moura. O leitor pode também consultar com proveito os historiadores Herculano Moraes, Francisco Miguel de Moura e Adião Neto.
2 LAGES MONTEIRO, Dílson. O morro da Casa-Grande. Teresina; Livraria Nova Aliança Editora, 2009.
3 CARVALLHO, O. G .Rego de. Ulisses entre o amor e a morte. 7. ed. Meridiano, 1989.
4 LAGES MONTEIRO, Dílson. Op.cit., p. 95.