Durante muito tempo sonhei com a reedição da obra pioneira de Miguel de Sousa Borges Leal Castelo Branco, de título quilométrico como seu próprio nome, Apontamentos biográficos de alguns piauienses ilustres e de outras pessoas notáveis que ocuparam cargos públicos na província do Piauí.

Publicada uma única vez em 1879, tornou-se raridade, não se encontrando um único exemplar no Piauí. No acervo da Academia Piauiense de Letras existe apenas uma cópia encadernada. Agora será reeditada(Coleção Centenário), como parte das comemorações alusivas ao primeiro século de fundação da Academia.

Essa publicação é a primeira obra biográfica publicada no Piauí. É a primeira obra histórica publicada por um piauiense. E fixa a memória de muitos vultos esquecidos, inclusive de seu autor.

Miguel de Sousa Borges Leal Castelo Branco foi um grande piauiense que honrou o seu torrão natal. Natural de Campo Maior(1836), era filho de dona Bárbara Maria de Jesus Castelo Branco e do coronel Lívio Lopes Castelo Branco, político malogrado que se envolveu na Balaiada(1838) causando grandes transtornos à família. Por essa razão é que o escritor somente em 1847 passou a frequentar a escola pública de primeiras letras. Mais tarde, vai defender a honra do pai, demonstrando os seus motivos para participar da rebelião, cuja defesa foi feita com maestria e distinção.

Por oportuno, lembre-se que o nome foi uma homenagem ao avô materno, seu homônimo e primeiro piauiense a formar-se em Direito, fazendo-o pela Universidade de Coimbra(1803).

Miguel Borges, como era conhecido, ainda estudou em Oeiras e Recife, não podendo, porém, matricular-se na Faculdade de Direito, por motivo de doença.

De regresso a Campo Maior, convola núpcias com sua prima Cassiana Ferreira de Araújo e Silva Castelo Branco(1860), de quem enviuvou no ano seguinte.

Desolado com o rude golpe, muda-se para Teresina(1862), onde vai exercer o magistério, o jornalismo e trabalhar no serviço público, além de pesquisar e escrever sobre cousas piauienses. Ingressando na política, exerceu os cargos de vereador de Teresina e deputado provincial(1866 – 1867). Ainda convolaria novas núpcias com a prendada senhora Emídia Henriqueta Viana de Noronha, da família Viana, de Caxias(MA) que lhe dá alguns filhos.

Faleceu relativamente jovem, com cinquenta anos de idade, em 22 de abril de 1887, depois de quatro anos de padecimento, pobre, quase paralítico e cego. Mas deixou um honroso exemplo de amor ao Piauí. Foi um bravo, lutou até enquanto as forças permitiram.

Com a futura publicação, resgata-se um livro valioso e, de quebra, homenageia-se um grande piauiense, trazendo seu nome e sua obra ao centro do debate. Até breve!

(Meio Norte, 14.12.2012; e orelha da respectiva obra)

Nota: o livro foi publicado.