LIII

 

Se baixas teu olhar, fitando duro o Chão,

ou ergues para o Céu em Sua Imensidão,

lembra que Tu és Tu neste exato Momento,

mas e Amanhã, depois da própria negação?

 

De Rubáiyát

tradução: Luiz Antônio de Figueiredo