Por que esta noite eu ri? Não mo dirá ninguém:

    Deus algum, nem Demônio de resposta rude;

Nem do céu nem do inferno a explicação me vem.

    Ao meu humano coração peço que ajude;

Eis-nos tristes e sós, tu e eu, ó coração!

    Dize-me, que mortal angústia! Por que ri eu?

Ó trevas! trevas! Sempre hei de gemer em vão,

    A inquirir céu e inferno, e inda o coração meu.

Oh, por que ri? Um prazo, eu sei, tem-no o meu ser,

    Seus júbilos extremos gozo em fantasia;

Porém findar à meia-noite eu poderia

    E em trapos as bandeiras deste mundo ver.

Verso, Fama, Beleza é certo que ardem forte:

Alto prêmio da vida, é mais ardente a Morte.

 

 

Tradução: Péricles Eugênio da Silva Ramos.