[Doralice Araújo]


Há tempo para viver, sorrir, chorar e até morrer ! - arquivo pessoal
Humoristas (aqui entram todos os que provocam o nosso riso e melhoram o astral geral) e mães quando morrem trocam de humor conosco; eles parecem sorrir da nossa tristeza e orfandade.

Temos muito tempo, ah...como temos tempo, para expressar nossos afetos e afagos, mas não aproveitamos as ocasiões para enviar ois, multiplicar abraços e  não economizar naqueles salameleques merecidos aos que nos alegram a vida. Pensávamos, talvez, que se conservariam fortes, mesmo sob o avançar dos anos. Ledo engano, leitor. Exemplos recentes? Chico Anísio ( Gazeta do Povo c/ agências) e  Millôr Fernandes (Revista Trip) - e, aqui na minha família, a minha mãe, a tão querida  Maria Luiza. Ah...as mães, como deixam saudades!