Convite informal de uma professora para Dilma e Aécio, diretamente de Roraima, um lugar que também é Brasil.

Senhora Dilma e Senhor Aécio,

 Não usarei o pronome hierárquico como manda a gramática de nossa brilhante Língua Portuguesa porque, na atual conjuntura de intimidade e beijinhos de campanha de segundo turno das eleições 2014, creio que seria hipócrita a minha formalidade. Estamos também em níveis hierárquicos diferentes. Eu, uma professora universitária que mereceu um título de doutora e luta por dignidade e igualdade. Aliás, talvez graças ao Governo Lula, eu deva agradecer por ser doutora, pois recebi bolsa de pesquisa numa Universidade Federal, sem precisar de um doutor honoris causa.

Bem, cara Dilma. Não estou aqui para falar de Educação, não que ela não seja prioridade. Estou aqui para falar de algo mais urgente: SAÚDE DE RORAIMA.

Gostaria de convidar a presidenta a fazer o seu exame de mamografia no Estado de Roraima, já que é mulher e deve ter as mesmas necessidades que a mulher do campo, a mulher lavadeira, a mulher doceira, a mulher do lavrado, a mulher indígena e todas as mulheres desse estado que sofrem por descasos com a saúde no atual governo de Roraima. Cheguei aqui em Fevereiro, por meio de Concurso Público para Professor do Magistério Superior. Algumas pessoas me sugerem para calar a boca porque estou em estágio probatório. Dizem que aqui tem Deputado que manda gente embora. Mas como sou democrata, honrada e respeitada pelo meu trabalho sério e digno, NÃO CALO.  Ouvi inúmeras histórias de gente linda de todas as cores em Roraima. Uma bela índia Macuxi me disse: “O governador veio com uma caravana em Rorainópolis, professora e inaugurou esse hospitalzão ali ó. E no outro dia, os equipamentos criaram asas e voou lá para as bandas da serra”. Isso não é metáfora de índio, não senhora.  Eu sou professora e meu trabalho fica defronte ao hospital que só atende em caso de emergência: MORTE.  

As mulheres do interior do estado de Roraima ficam longos meses para conseguir um agendamento e quando conseguem agendar na capital Boa Vista, os equipamentos não têm condições dignas para diagnóstico. Estão quase sempre quebrados ou em manutenção. “O tempo é engenhoso”, escreveu nosso escritor Guimarães Rosa, conterrâneo do Aécio. E como a senhora é muito sábia, deve ter lido ou ouvido alguma notícia que quanto mais rápido for diagnosticado o câncer, maior é a chance para tratamento e luta pela sobrevivência.

Viver é tão bom, presidenta! Sendo assim, fiquei pensando no princípio da isonomia pela vida. Vasculhei minha memória e lembrei que a senhora falava na televisão que lutava por justiça e por um país de igualdades. E como Roraima também é um Brasil de fronteira com a Venezuela e sei que a senhora não é mentirosa, achei que fosse interessante fazer um convite para pegar o primeiro avião e igualar a nós mulheres daqui. Sou mato-grossense que veio para Roraima e agora me sinto como as mulheres desse lugar. Pago um plano de saúde caríssimo porque, apesar de tudo, tenho um salário digno, mas mesmo assim, não consigo agendar um exame. Imagine a situação de muitas mulheres que ganham um salário mínimo e dependem do SUS.  

Portanto, querida Dilma, como somos mulheres que lutamos pela igualdade e pelos direitos humanos, estendo meu convite íntimo e especial. Venha para Roraima conhecer a precariedade dos aparelhos de tratamento de prevenção contra o câncer de mama. Venha conhecer as muitas mulheres que lutam por uma vaga de exame de ultrassonografia e mamografia, cara presidenta. Aproveite e convide a Marina que se aliou ao Aécio do PSDB que também é convidado de honra, já que homem também pode ser vítima de câncer de mama e não somente de próstata. E então eu pergunto: Podemos formar uma corrente de irmãos entre PT, PSOL e PSDB e fortalecer a saúde de Roraima? Acho que o Governador eleito para Roraima vai precisar de mais forcinhas e verbinhas. O que a senhora mandou não foi suficiente ou então virou Caxiri. Caxiri pode até parecer caixa dois, mas aqui em Roraima é bebida de índio que deixa político bêbado e por isso não trabalha...

 Sem mais, na maior intimidade do momento...

 

Rosidelma Fraga, professora na Universidade Estadual de Roraima - 17 de Outubro de 2014.