Para colher de colher

 

um poeta contra

a fome de letras planta

outro poema no planeta

 

(Luiz Filho de Oliveira. Deleituras, 2011.)