[Doralice Araújo]

Veículos automotores propiciam a economia do tempo no deslocamento das pessoas e agilizam as demandas de uma cidade de pequeno, médio e grande porte. É fato incontestável. A capital curitibana não mostra exemplo contrário. Ao sairmos às ruas? Ônibus, caminhões, carros de passeio, motos, ciclistas, pedestres e carrinheiros - e até carroças, traçam rotas curtas ou longas em conjunções nem sempre conexas. A quantidade de veículos automotores é visivelmente maior do que a de ciclistas. É fato.

Rua Silva Jardim, em tarde de domingo- Curitiba, Rebouças, arq. pessoal
Percebo, apesar dos esforços da administração, as diferenças de atenção no trato aos sujeitos avistados na engenharia de tráfego. Canaleta, ônibus expresso, via rápida, pontilhões, rotatórias, viadutos, ciclovias ( mesmo interrompidas) entre outras providências compõem um quadro visível de facilitação ao fluxo do trânsito de uma cidade grande, tal como Curitiba. Não sou especialista, mas sim uma observadora atenta, caro leitor. Vejo o esforço, mas é desigual o tratamento. Os carros parecem receber o tratamento vip da administração municipal.

O Renato Castilho fez a foto e tuitou com ela; o trânsito parado permitiu - Na hora do sufoco, Curitiba, reprodução autorizada pelo autor

Duas provas -  O jornalista Alessandro Martins em tuite recente afirmou que: Curitiba virou a cidade dos carros - e você, que conhece a capital paranaense, circula pelos bairros e enfrenta longa espera nos cruzamentos tem a mesma impressão ou conserva parecer diferente? Na terça-feira passada, diante do trânsito parado, o Renato Castilho tuitou: Tão parado que dá até pra tuitar. Fiz uma reprodução da imagem contextualizada na rua, tal como um corredor de espera da vez; os motoristas reclamam do congestiomento, especialmente no centro da cidade. Na foto em destaque, feita na tarde de domingo, observe como o trânsito é calmo. É  quando os ciclistas saem em passeio mais despreocupado e a maioria dos carros parece ficar nas suas garagens.

Agradeço os comentários; eles poderão estabelecer uma ótima composição da realidade, pois reunir dados da observação do cidadão no seu movimento diário pela cidade, tanto na poltrona de um ônibus, carro de passeio, na sua moto, montado na bicicleta ou simplesmente circulando em caminhada pelas ruas de Curitiba, será muito interessante. Terei, assim, elementos de apoio para uma proposta de redação argumentativa com os meus alunos de redação, afinal, os temas estão aí.  O meu propósito é trazê-los à reflexão e, se possível, com dados posteriores em análise de escrita.

Até a próxima!