[Doralice Araújo]

 

Sob o meu olhar e com a ajuda da câmera a cena urbana em Curitiba- arq. pessoal 2013

Ontem? Fazia uma linda e ensolarada tarde, mesmo sob o inverno curitibano. Após o almoço, eu e minha filha fomos tomar um café ali para as bandas da Rua Padre Anchieta. E na saída de casa, logo recebi a concordância para irmos ao Café do Monge; aliás, você já esteve lá, meu caro leitor? Recomendo sempre aos meus queridos conhecidos. Pois bem, enquanto esperávamos as gostosuras solicitadas ao gentil garçom, decidi fazer várias fotos do que passava sob o meu olhar. Em questão de cinco minutos, recolhi cenas urbanas cheias de expressão. Vamos tirar a prova? No destaques que ora compartilho, quantas informações você consegue depreender, meu caro leitor?

Na canaleta, o ônibus expresso é um ícone curitibano-  Bigorrilho, arquivo pessoal 2013

Método infalível - Quando eu encontro crianças e vestibulandos com dificuldade para interpretar textos mais longos, costumo apelar à fotografia para exercitar o senso de observação e tradução do que o estudante consegue identificar. A prática costuma resultar em agradável vitória da leitura e da escrita; eu garanto.

Quando o meu Latte Alpino chegou eu estava entregue à estimulante tarefa de registrar a cena no mesmo contexto, mas com personagens diferentes. Ao chegar em casa? Senti incontida vontade de reler o Conto de Natal, de Paul Auster, assim como  rever o Cortina de Fumaça, excelente filme baseado na instigante narrativa.

Com a ajuda da câmera do celular (no modo silencioso) consigo trazer ao Na Mira do Leitor um pouco do cotidiano que está sob o meu olhar. Na prática docente, a vida, sob a ótica de um atento observador é o melhor combustível à redação exemplar -  e a fotografia ajuda bastante na descontração com a escrita descritiva. Fica a minha contribuição à tarefa educacional centrada na redação