Lucilene Gomes Lima 

 

                       A TEMÁTICA HISTÓRICA DO CICLO DA BORRACHA

 

 Origem e exploração da hévea

 

O “ciclo da borracha” é um evento na história econômica da Amazônia que enseja farta matéria de estudo. Da atividade extrativa da borracha decorrem também outros fatos históricos como a conquista do Acre[1] e a construção da ferrovia Madeira-Mamoré[2]. Em virtude desses fatos, as fronteiras amazônicas foram alargadas, surgindo novos estados: Acre e Rondônia. A seca nas zonas agrestes do sertão do Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e outros estados nordestinos também está estreitamente ligada ao ciclo[3] à medida que os milhares de nordestinos[4] banidos por esse flagelo formaram o grande contingente de trabalhadores nos seringais do Pará, Amazonas e Acre.

A espécie que possibilitou a exploração extrativa e o decorrente fastígio econômico na Amazônia já era conhecida pelos povos americanos com os quais os colonizadores europeus tiveram contato. Reis[5] informa que Cristóvão Colombo, na segunda viagem que fez à América, viu a goma sendo utilizada pelos índios do Haiti. Por outro lado, de acordo com Rodrigues, a goma já era conhecida por antigos povos do México – os Mayás e os Nauhás. Além do emprego para necessidade própria, eles estabeleciam o comércio da goma elástica com outros povos, chegando a promover exportação em grande quantidade. Segundo o autor:

 

[...] As cidades do Golpho do Mexico, pagavam aos Astecas, annualmente, entre outros, um tributo de 16.000 cargas de gomma elastica, segundo os melhores historiadores. Entre outros empregos, que lhes davam, figuravam as bolas para o seu jogo da péla, que se estendeu, entre algumas das nossas tribus indigenas, até ao sul do Brazil[6].

 



[1] Leandro Tocantins é enfático sobre a criação do estado do Acre e sua relação com o ciclo da borracha: “[...] Acre e borracha confundem-se no mesmo processo histórico. Sem borracha o Acre não seria brasileiro, a menos que surgisse outro produto-rei capaz de emprestar à terra a mesma fascinação econômica [...]” (Formação histórica do Acre,  v.1, p. 31).

[2] O tratado de Petrópolis, de 1903, assinado pelo Brasil e a Bolívia, estabelecia o direito brasileiro sobre os 190.000km2 que compreendiam o Estado do Acre e também continha uma cláusula prevendo a construção da ferrovia Madeira-Mamoré. A ferrovia seguiria às margens do rio Madeira e possibilitaria uma ligação com a região onde foi fundada a povoação de Porto Velho, solucionando o problema de transpor o trecho por via marítima, uma vez que uma seqüência de vinte cachoeiras impossibilitava a navegabilidade desse trecho. Através da ferrovia, a Bolívia pretendia atingir um trecho navegável, alcançando o Oceano Atlântico. A construção da ferrovia seria um negócio rentável para o americano Percival Farquhar que conseguiu do governo brasileiro a concessão da estrada por sessenta anos e a autorização para explorar os seringais localizados próximos ao eixo da ferrovia. (Cf. Violeta R. LOUREIRO, Estudos e problemas amazônicos, p. 33-4).

[3] A ficção do ciclo das secas estabelece relações com a ficção do “ciclo da borracha”. Num trecho do romance O quinze, de Rachel de Queiroz, a personagem Chico Bento revela o anseio de uma vida melhor que caracterizou a vinda de muitos nordestinos para a Amazônia: “A voz lenta e cansada vibrava, erguia-se, parecia outra, abarcando projetos e ambições. E a imaginação esperançosa aplanava as estradas difíceis, esquecia saudades, fome e angústias, penetrava na sombra verde do Amazonas, vencia a natureza bruta, dominava as feras e as visagens, fazia dele rico e vencedor” (s.d., p. 30).

[4] Samuel Benchimol informa que a Amazônia recebeu, no período de 1877 a 1920, 300.000 imigrantes nordestinos (Amazônia: formação social e cultural, 1999, p. 136). Antônio Loureiro, entretanto, observa que esse número poderá ser ultrapassado através de novos estudos (Antônio J. S. LOUREIRO, Amazônia: 10.000 anos, p. 167).

[5]Arthur C. F. REIS, O seringal e o seringueiro,  p. 80.

[6] João B. RODRIGUES, As heveas ou seringueiras: informações, p. 7-8.