A MENTIRA DE HADDAD NO ÚLTIMO DEBATE

Miguel Carqueija

 

Ninguém me contou, essas coisas eu acompanhei, eu vi e escutei. Por isso, nesse caso, a mim não enganam.

Durante a última campanha eleitoral o candidato Jair Bolsonaro levou uma facada e esteve entre a vida e a morte. Até teve petista que disse que a facada não existiu, mas isso é delírio. Ele próprio já mostrou a cicatriz.

Assim, ainda durante o primeiro turno, Bolsonaro apagou. Nessa ocasião seu vice fez declarações desastradas, inclusive criticando o décim-terceiro salário, já que os meses são apenas doze. Isso gerou polêmica, mas quando pôde falar Bolsonaro discordou do vice e lembrou algo muito importante, que ninguém lembrara: o 13º é cláusula pétrea da Constituição, não podendo ser tocado nem através de PEC.

Se o candidato não houvesse dito isso até se poderia supor (ainda que suposições não provam nada), como a esquerda passou a fazer, que Bolsonaro tinha desmentido o general apenas por tatica, porque não havia ainda ganho a eleição. Mas esse detalhe da cláusula pétrea é fundamental. No meu entender isso liquidou a questão, de forma bem objetiva.

Aí o candidato do PT, Sr. Fernando Haddad, em sua mensagem final no último debate (em razão do ferimento Bolsonaro não foi a mais nenhum) não se limitou a falar de suas propostas, resolveu atacar o candidato que, pelas malfadadas pesquisas (sempre digo que pesquisa eleitoral é coisa antidemocrática) iria disparado para o segundo turno. E atirou que Bolsonaro pretendia acabar com o décimo-terceiro.

Ora, isso foi uma deslavada mentira que pelo menos serviu para desmascarar o verdadeiro caráter do poste de Lula. É um lobo em pele de ovelha. A sua obrigação era aceitar o desmentido de Bolsonaro, desmentido esse capeado por argumento tão poderoso como o da cláusula pétrea. Aí está, portanto, a nudez do rei. Note-se que a própria Marina Silva, mesmo sendo adversária de Bolsonaro, encurralou Haddad no debate, cobrando a auto-crítica que os políticos petistas não fazem em caso algum. Haddad fugiu da questão, Marina insistiu na réplica e na tréplica afinal Haddad falou que o PT reconhecia sim os seus erros, mas não disse quais, o que equivale a não reconhecer coisa alguma.

E tanto Bolsonaro não era contra o décimo-terceiro que agora o estendeu para a Bolsa Família, coisa que o PT e Temer não fizeram.

 

Rio de Janeiro, 11 de junho de 2019.