Profa.Dra. Rosidelma Fraga

Profa. Neurivânia Guilhermi

 

 

A literatura é uma das janelas abertas que denuncia o disfarce da valorização do negro por meio do “discurso de combate”. Nessa perspectiva, a literatura pode exercer um papel fulcral na história de uma cultura e a representação identitária. Rita Chaves (2005) aponta que:” [...] a literatura dos países africanos de língua portuguesa traz a dimensão do passado como uma de suas matrizes de significado. A dança ganha estatuto de signos de uma identidade a ser preservada” (CHAVES, 2005, p. 45-48).

Não obstante, não se vê nos contos a seguir uma valorização do negro e da cultura. Nos contos africanos dos PALOPS podemos perceber traços que evidenciam a figura do negro na perspectiva do racismo, a exemplo de Cada homem é uma raça, de Mia Couto (2013) e Contos africanos (2009), Rosalinda, a nenhuma; O embondeiro que sonhava pássaros e A Princesa Russa, As mãos dos pretos, Gavião veio do sul e pum! e Zito Makoa, da 4ª classe.

A obra Cada homem é uma raça (2013) do escritor Mia Couto possui um conjunto de onze contos, que permite ao leitor fazer uma abordagem relacionada ao tema do preconceito em variados contextos que norteiam a sociedade humana.

No conto Rosalinda, a nenhuma temos a história de uma mulher que vai engordando posteriormente ao falecimento do seu marido Jacinto. Tal hábito se tornou uma grande melancolia, porquanto todos os seus parentes vieram a óbito e Rosalinda (a nenhuma) ficou solitária, tendo como passatempo, as visitas ao túmulo de seu falecido marido.

Percebe-se que o narrador heterodiegético ilustra o sofrimento de uma mulher violentada fisicamente pelo marido e, em consequência, a sua visão de submissão da mulher: “[...] Rosalinda se antepassava, tantos eram os parentes já enroscados no grande sono. Só ela restava, em seus retroativos pensamentos. Junto à campa, ela se memoriava: - Jacinto, grande sacana. - Como gesto terno, ela alisava a areia, afagando lembranças. Deus lhe punisse, Deus adoecesse. Mas, quem explicava aquela saudade do sofrimento, o doce sabor de amargas lembranças? - Tu me amarraste a vida, me forneceste de porrada”  (COUTO, 2013, p. 52).

 

Sob esse prisma, o leitor se depara com a imagem de uma mulher agredida, a qual acaba por sentir falta dos ataques ofensivos do falecido esposo. Além de sofrer violências físicas; seu esposo a traía, uma vez o narrador por meio do recurso da ironia relata que Jacinto o marido de Rosalinda só é fiel às garrafas de bebidas. Pode-se verificar também o preconceito que a personagem sofre por ser obesa: “[...] Rosalinda era uma mulher retaguardada, fornecida de assento. Senhora de muita polpa, carnes aquém e além roupa. Sofria de tanto volume que se sentava no próprio peso, superlativa. [...]” (COUTO, 2013, p.51). O conto representa uma personagem que “não cuidou mais da aparência física; ela que um dia já foi bela, magra; e agora não liga mais pra vida, pois, alimenta uma depressão que tomou conta de sua alma”. O narrador desenha um modelo de mulher que teve um infeliz casamento, pois, as traições do marido eram notórias, mas, apesar disso nunca descuidou do marido podemos confirmar no trecho seguinte:

 

 

[...] De igual como fizera em vida, ajeitando-lhe as aparências, antes dele sair:

- Você vai ter com as mulheres, assim escangalhado? Deixa que eu lhe arrumo bonito.

A boca é o esconderijo do coração? No caso, até nem. Ela encarecia o marido com sincera vontade. As outras não pensassem que ela não cumpria cuidados de esposa. Que no gozo de Jacinto elas respeitassem a mão de sua vaidosa obra. (COUTO, 2013, p.53).

 

 

Assim sendo, compreende-se no limiar de uma interpretação literária que Rosalinda se torna a representação da mulher submissa, carregada de represálias e preconceitos oriundos do conceito de fealdade, porém o amor adjacente à humanidade e a sua capacidade de redimir, a torna singular. Rosalinda, apesar de tudo isso, com o amor que ela sentia pelo marido abafava momentos íntimos de seu cárcere amoroso, ou mal de amor, talvez por causa desse sentimento não tivesse ressentimento das traições do marido. Notadamente, a personagem vive a sombra do túmulo do falecido marido, e seu corpo avantajado impedia participação na sociedade. Ou seja, não possuía uma identidade cultural, capaz de integrar-se como sujeito.

Entretanto, o narrador, durante o desenrolar da narrativa, cria estratégias para o leitor acreditar que a personagem pudesse veicular seus costumes rotineiros com o cotidiano da sociedade descrita no conto. A focalização de Rosalinda passa a ser uma espécie de representação da personagem com o intuito de fortalecer a identidade e o papel social da figura de Rosalinda. Desse modo, o narrador foca na personagem feminina com o propósito de preservar sua identidade.

Ao longo da narrativa, Rosalinda deixa de aceitar as traições do marido e decide agir mudando o corpo de Jacinto de lugar, mas os agentes funerários dificultam sua exigência, então disposta a tudo resolve trazer a noite o sobrinho Salomão para conduzir a mudança do defunto. Em contrapartida, as visitas da outra mulher continuaram e Rosalinda divertia-se e assim descontava as traições do marido desencadeando o tema da vingança:

 

 

Em vida me enganaram. Agora, é o meu troco. Rosalinda, a esposa póstuma, se vingava. E foi por tempos, o ajuste. Então, um dia, ela pensou: antes, eu sempre desconsegui. Sempre fui nada. Mas agora eu sinto meus poderes. Rosalinda se enchia de crença, ela mexia para além da morte, lá onde já não havia destino nenhum. E, assim, ela acreditava entender um juízo sem dimensão. (COUTO, 2013, p. 56).

 

 

 Ao analisar a obra de Mia Couto, Delgado (2006. p.13) elucida que um mesmo indivíduo, um mesmo ator coletivo pode possuir muitas identidades. Em outras palavras, a pluralidade de identidades “pode produzir tensões e condições, tanto na imagem que o indivíduo tem de si como sua ação no seio da sociedade” e pode chegar ao esquecimento.

No conto “O embondeiro que sonhava pássaros” que também integra Cada homem é uma raça, o narrador conta a história de um homem negro que vendia pássaros nos bairros dos brancos, tornando-se rotina e acaba por incomodar os moradores, as crianças odora o vendedor de pássaros, mas, seus pais não aceitam que o homem se aproxime da burguesia. Na narrativa miacoutiana o vendedor de pássaros não tem nome, ou seja, não possui identidade, mas com o tempo passa a ser conhecido como o homem dos passarinheiros. Devido suas visitas frequentes começou a irritar os moradores da vila, florescendo o preconceito de cor. Notamos no texto a ação do racismo sem metáforas e rodeios. “[...] Aquele preto quem era? Alguém conhecia recomendações dele? Quem autorizara aqueles pés descalços a sujarem o bairro? Não, não e não. O negro que voltasse ao seu devido lugar. [...]” (COUTO, 2013, p.64, grifos nossos).

Nas partes preliminares do enredo, a sociedade do bairro não conhecia quem era o homem e, por assim dizer, não acolhiam que circundasse pelas ruas do bairro, pois a cor da pele poderia sujar a moradia dos brancos. Nesse trecho fica explícito o racismo e preconceito contra o negro. Outro ponto que podem ser notadas as mazelas sociais e raciais está no trecho: “[...] por trás das cortinas, os colonos reprovavam aqueles abusos. Ensinavam suspeitas aos pequenos filhos”. (COUTO, 2013, p.64).

Sendo assim, o preconceito surgia dos adultos, pois, as crianças amavam o passarinheiro, e suas histórias agradavam todas elas. Podemos elucidar que os dramas sociais aparecem na obra de Mia Couto como uma proposta de misturar sonho e fantasia e uma das marcas é o eixo da contradição ocasionado  pela falta de identidade:

 

Em Estórias africanas: história e antologia, a saudosa professora Maria Aparecida Santilli  (1985, p.30) elucida que a veia fulcral da narrativa de Moçambique, além da proposta nacionalista, se refere aos dramas sociais, mesclando “realidade e fantasia”, “sonho e realidade”, muitas vezes, recheada de descrição e lendas. Assim, o primeiro drama exposto no conto é o paradoxo da falta de identidade do vendedor de pássaros que “não tinha sequer o abrigo de um nome” (p.63). Entretanto, a identidade era acentuada na presença mística do embondeiro, “uma árvore muito sagrada, que Deus a plantara de cabeça para baixo” (p.63). Para os meninos, o embondeiro e o vendedor de pássaros possuiam um caráter sagrado, cheio de magia, encantamento e sonho (FRAGA, 2014, p.4).

 

A representação e a identidade no conto “O embondeiro que sonhava pássaros” podem ser identificadas no momento em que o narrador cuidadosamente focaliza em princípios que ajuda o personagem passarinheiro a criar um perfil de identidade cultural, pois o conto explicita relatos de que o personagem não tinha identidade, para assim propagar sua existência em meio da sociedade dos colonos:

 

 

Esse homem vai ficar sempre de sombra: nenhuma memória será bastante para lhe salva do escuro. Em verdade, seu astro não era o sol. Nem seu país era vida. Talvez, por razão disso, ele habitasse com cautela de um estranho. O vendedor de pássaros não tinha sequer o abrigo de um nome. Chamavam-lhe o passarinheiro. (COUTO, 2013, p.63).

 

 

Neste sentido, o personagem não tinha identidade e nem um perfil dentro da sociedade dos colonos. Aquele negro (como era chamado para designar o afastamento do EU enunciador) deveria continuar no anonimato. Mas, a partir do momento em que o vendedor de pássaros quebra a rotina da sociedade dos brancos e suas visitas à população incomodam, o desconhecido ganha a marca da imposição pela identidade. Ele, de certo modo, demarca a existência e a memória na moradia da árvore baobá, símbolo do misticismo do continente africano e da sua identidade cultural. Neste ponto, a condição da diferença pode-se viabilizar um ponto idêntico, pois é na diferença que todos nos tornamos iguais e, para lembrarmos de Stuart Hall (2009), a identidade cultural está centrada na cultura global e na multiplicidade.

 

Cada homem é uma raça tem um conto fabuloso chamado “A Princesa russa”. Na narrativa conhece-se a contextura de um homem por nome de Duarte Fortin que trabalhou como chefe de criados na casa de uma família russa. A narrativa relata que o personagem se sentia alguém, pois, o rótulo de encarregado geral, lhe assegurava um tratamento diferenciado, ou seja, não era considerado um serviçal, pois tinha o respeito dos padrões. Porém, tratava seus colegas de trabalho com indiferença isso trouxe consequências, pois, era renegado pelos companheiros de servidão. Um dos comentários que o personagem alude na seguinte confidência:

 

 

[...] E eu, assimilado como que era, fiquei chefe dos criados. Sabe como me chamavam? Encarregado-geral. Era a minha categoria, eu era um alguém. Não trabalhava: mandava trabalhar. Os pedidos dos patrões era eu que atendia, eles falavam comigo de boa maneira, sempre com respeitos. (COUTO, 2013, p.78, grifos nossos).

 

 

O leitor pode observar que a figura de Duarte Fortin representa uma experiência de pertencer à classe elitista. O personagem se enaltecia diante dos criados, um dos meios que ele utilizava para impor o seu valor e identidade frente às diferenças de classes sociais. Entretanto, cremos que o preconceito e as discriminações estão centrados nas marcas físicas:

 

Os criados me odiavam, senhor padre. Eu sentia aquela raiva deles que lhes roubava os feriados. Não me importava, até que gostava de não ser gostado. Aquela raiva deles me engordava, eu sentia quase-quase patrão. Me disseram que este gosto de mandar é um pecado. Mas eu acho é essa a minha perna que me aconselha maldades. Tenho duas pernas uma de santo, outra do diabo. Como posso seguir um caminho só? (COUTO, 2013, p.78-79).

 

 

 A rigor, analisamos que o negro Duarte Fortin usa como mote de recusa a imperfeição na perna, a fim de empreender atrocidades descortinando o desprezo de seus camaradas de ofício. Além desse aspecto, o conto norteia a recusa da identidade pelo próprio eu-personagem ao dizer que uma mulher branca não poderia amar um negro: “[...] Eu Duarte Fortin, encarregado-geral dos criados, fugir com uma branca, princesa ainda para mais? Como se algum dia ela quisesse comigo, um tipo dessa cor e com pernação desigual” [...] (COUTO, 2013, p.89).

O conto “As mãos dos pretos” de Luís Bernardo Honwana escritor moçambicano, narra a história de um menino que tinha a curiosidade de saber, por que as palmas das mãos dos negros são brancas. E aos poucos a história vai sendo desenrolada, através do ponto de vista de cada personagem. Porém, fica evidente a necessidade de assumir uma identidade sem as imposições dos colonizadores:

 

 

Lembrei-me disso quando o Senhor Padre, depois de dizer na catequese que nós não prestávamos mesmo pra nada e que até os pretos eram melhores do que nós, voltou a fala nisso de as mãos deles serem mais claras, dizendo que isso era assim porque eles, às escondidas, andavam sempre de mãos postas, a rezar. (HONWANA, 2009, p. 24).

 

 

Como exegese da citação acima, assevera-se que o personagem Padre faz uma associação negativa para advertir as crianças sobre questões religiosas comentando que os pretos apesar da cor da pele são melhores que as crianças nas orações e na fé. É justamente a fala que diz e revela o preconceito de cor. Em decorrência ainda da dúvida do menino em relação da cor das palmas das mãos surgem vários episódios para explicar porque as mãos dos pretos são brancas.  Esta relação de identidade negra aparece demarcada pelas piadas ou contos populares que denunciam a imagem do branco em detrimento do negro:

 

 

Eu achei um piadão tal a essa coisa de as mãos dos pretos serem mais claras que agora é ver-me a não largar seja quem for enquanto não me disser por que é que os pretos têm as palmas das mãos assim claras. A dona Dores, por exemplo, disse-me que Deus fez-lhes as mãos mais claras para não sujarem a comida que fazem para os seus patrões ou qualquer outra coisa que lhes mandem fazer e que não deva ficar senão limpa. (HONWANA, 2009, p. 24-25, grifos nossos).

 

 

 No limiar do discurso citado, encontramos tanto além de uma irônica denúncia sobre o preconceito pela diferença entre brancos e negros no que tange a cor da pele, o conflito principal da narrativa. Além disso, a busca pela explicação da cor e da identidade negra passa pelo crivo do questionamento do próprio rio negro. Tais questionamentos servem ainda para designar a existência, uma vez que Deus fez os negros simplesmente para “os haver”. E nas diversas explicações o leitor encontra outro ponto salutar que é arte de contar histórias, a arte da invenção, peculiar e oriunda da cultura africana.

O conto Gavião veio do sul e pum!, do angolano Boaventura Cardoso tem como enredo  a história de uma criança que constrói em seu imaginário os aviões de caça da guerra como pássaros. Sob a tônica de um visionário tido como louco pela comunidade onde mora, a criança procura pássaro e sonha com a liberdade frente à violência que o aflige: “Estou olhar assim, os pássaros estão a brincar nas lavras, debicando aqui e ali é cantarolar, música é deles e riacho correr fintando pedras e sol” (CARDOSO, 2009, p.112).  

No âmbito do diálogo entre a criança e o visionário Kilausse, o leitor pode perceber que o personagem vai se metamorfoseando em um indivíduo que incomoda e os olhares preconceituosos da sociedade colonizadora eram conduzidos para seus costumes. Logo, a cultura ganha lugar de imposição da identidade de libertação na metáfora do voo do gavião, a fim de não cair no esquecimento e no enfraquecimento da memória.

 A respeito do conto Zito Makoa, da 4ª classe, do angolano Luandino Vieira, há em seu enredo a trama entre dois amigos Zito Makoa, personagem negro e o outro Zeca Silva, branco. Por conseguinte, a desigualdade social e racial é marcada pelo preconceito e violência. O conto, por sua vez retrata o espelho de uma narrativa no contexto de represália, pois passava na época em que Angola buscava sua independência política, social e econômica. Com isso, tinha-se o propósito de deixar de seguir a cultura imposta pelos colonizadores e fixar uma identidade dos próprios angolanos. O preconceito explícito no conto de Luandino Vieira também aparece no tratamento dado aos alunos pela professora. Efetivamente, a conduta moral da professora não era de uma função educativa. Percebe-se que ela toma o uso de palavras e expressões pejorativas ao se referir aos alunos: “Miúdos ordinários, desordeiros! Quem começou? – e a fala irritada da mulher cambuta e gorda fazia-lhe ainda tremer os óculos na ponta do nariz”. (VIEIRA, 2009, p.122).

 Em consequência, vê-se que o preconceito racial ocorre na escola: “A confusão tinha começado mesmo no princípio da escola quando Chiquito, um miúdo amarelinho e óculos de arame como era sua mania, xingou Zeca de amigo dos negros, por causa da troca da manhã” (VIEIRA, 2013, p.123). Uma das estratégias para se denotar o preconceito da cor da pele é a referência às cores para qualificar as pessoas, tais como amarelinho e negro, demarcando, sem dúvida, o racismo.

Sendo assim, o leitor consegue beber em Zito Makoa, da 4ª classe a narrativa que revela e desvela os maus tratos de Zito pela professora: “Era o Zito mesmo que estava levar com a palmatoadas do diretor, se ouvia, cá fora, o barulho, mas nenhum grito, nenhum soluço mais, só as falas zangadas e raivosas da professora cambuta, chamando-lhe de negro malandro” (VIEIRA, 2013, p. 128, grifos nossos). A rigor, entende-se que as palavras utilizadas pelos personagens aos se dirigirem a Zito configura o preconceito pela cor da pele e o ser negro perpassa-se na marca da diferença aludida pela professora: “– quem escreveu isto? Foste tu negro? Ah, não! Vadios na escola, não! Malandros, vadios de musseque! Se já se viu esta falta de respeito! Negros! Todos iguais, todos iguais” (VIEIRA, 2013, p.128). Neste sentido, a identidade negra aparece mesclada com o olhar pejorativo do branco para o negro revelada no pensamento racista da voz maior que é a da professora, um figura que a sociedade confiou-lhe o para a diminuição da desigualdade racial.

Pode-se asseverar que a representação da identidade cultural no mundo contemporâneo se torna cada vez mais complexa tendo em vista as manifestações de racismo em todas as esferas e camadas sociais. Exemplos disso, e que não destoam da narrativa de Luandino Vieira e Mia Couto, são as referências aos negros insultados em campos de futebol. O cenário atual ainda prova que a Lei 10.639/2003 precisa e deve ser um ponto fulcral de discussão nas escolas e no ensino da literatura atrelado às aulas de História e, sobretudo de uma educação para a cidadania.

À guisa de inferência, elucidamos que a leitura minuciosa das obras africanas Cada homem é uma raça (2013) do autor Mia Couto e Contos africanos (2008) de autores de língua portuguesa possibilitou-nos perceber que o caminho para diminuir o preconceito racial ainda está longe de ter pelo menos uma pausa ou um rompimento. Contatou-se o quanto é relevante valorizar e reconhecer a representação e a identidade negra através da literatura africana, pois o valor em ser representado e ter uma identidade é um direito de cada ser humano. Entretanto, as desigualdades raciais insistem em percorrer ao longo da história dificultando a construção social e valorização do negro. As análises dos contos africanos de língua portuguesa mostraram que o racismo mascarado é uma das dificuldades que o negro encontra para se posicionar em meio à sociedade “elitizada”. Por conseguinte, examinar a representação e a identidade do negro é ainda uma linha assaz complexa. O mundo global ainda precisa de meios e subsídios para estudar esse campo de atuação. E as escolas brasileiras devem adequar-se à lei 10.639/2003 porque ela é a mola de impulso para repensarmos a cultura e a formação do povo brasileiro. A literatura como um dos campos de estudos também tem contribuído para muitas discussões e a temática proposta neste artigo veio a calhar no sentido de reforçar o combate à injúria racial, tema que fica quase sempre nos recônditos

 

 

REFERÊNCIAS     

BRAGANÇA, Albertino... [et al.] Contos africanos de língua portuguesa; organizadora Rita Chaves; ilustrador Apo Fousek. – 1.ed. – São Paulo: Ática, 2009.

 

BERND, Zilá. Introdução à literatura negra ed. da UFGRS, 1988.

 

_______­­___. Racismo e anti-Racismo/ Zilá Bernd – São Paulo: Moderna, 1994. – (coleção polêmica).

 

CHAVES, Rita. Angola e Moçambique: experiência colonial e territórios literários. São Paulo: Ateliê, 2005.

 

COUTO, Mia. Cada homem é uma raça: contos/ Mia Couto – 1ºed. – São      Paulo: Companhia das letras, 2013.

 

DELGADO, Ignacio G. Vozes além da África: tópicos sobre identidade negra, literatura e histórias africanas/ organizador ignacio G. delgado... [et al.]. – Juiz de Fora: Ed. UF JF, 2006.

 

FRAGA, Rosidelma. A tessitura do lirismo social no conto o embondeiro que sonhava pássaros. Disponível em: http://www.portalentretextos.com.br//colunas/poiesis-rosidelma-fraga/a-tessitura-do-lirismo-social-no-conto-o-embondeiro-que-sonhava-passaros-de-mia-couto,269,7245.html. Acesso em: 04 de Agost. 2016.

 

GADEA, Carlos A. Negritude e pós-africanidade: críticas das relações raciais contemporâneas/ Carlos A.Gadea. – Porto Alegre: Sulina, 2013.

 

HALL, Stuart. A Identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. RJ: DP&A, 2006.

 

MUNANGA, Kabengele. Origens africanas do Brasil contemporâneo: histórias, línguas, culturas e civilizações/ Kabengele Munanga – São Paulo: Global, 2009.