• 21:29:35 Luiz Filho Nós, Geovane.
  • 21:29:32 zipvaladares@yahoo.c Boa noite, meus caros. Vou ali, que uma cerveja me chama. Apareça Filhinho.
  • 21:29:32 zipvaladares@yahoo.c Boa noite, meus caros. Vou ali, que uma cerveja me chama. Apareça Filhinho.
  • 21:29:07 Dilson Lages saindo da conversa...
  • 21:28:53 Geovane Monteiro Boa noite a todos! E sucesso nessa nova empreitada , Luiz! Talento você tem!
  • 21:28:41 Luiz Filho Boa noite, meu povo!
  • 21:27:26 Luiz Filho Boa noite, Cunha e Silva Filho.
  • 21:26:58 Luiz Filho De muitos lugares, Valadares. Até de lugar nehum. kkk
  • 21:26:43 Cunha filho Valeu muito o nosso bate-papo . Foi proveitoso mais do que tudo. Viva a poesia! Viva Luiz Filho de Oliveira.Boa noite!
  • 21:26:19 Luiz Filho Pessoal, desculpem se não respondi a alguma pergunta, mas a velocidade não é o meu forte. kkkk
  • 21:25:45 zipvaladares@yahoo.c Atualmente, a tua palavra vem da Primavera ou do Porenquanto...
  • 21:25:32 Dilson Lages Agradecemos a todos pela participação no Bate-papo de Entretextos, especialmente ao poeta Luiz Filho de Oliveira. Boa noite a todos.
  • 21:25:27 Luiz Filho Gente, foi um prazer receber todos vcs.
  • 21:24:33 Luiz Filho Sem dúvida alguma, Valadares. O subversivo é o tanto de experimentalismo e de temas apoéticos que podem ser experimentados.
  • 21:23:33 Cunha filho Na sua crítica à internet é curioso o que todos nós fazemos, faz-se a crítica e ao mesmo tempo nos aproveitamos do tempos loucos e infernéticos. Essa é uma contradição a que não podemeos fugir. Mas, poesia de boa qualidade, ou de alta qualidade, muitas vezes não passa de uma contradição. Sem esta última, nos tornamos rasos e estúpidos.
  • 21:23:22 Luiz Filho Muitas complicações, Geovane, como, de resto, é avida. A internet não é nada mais do que a vida acelerada. O resto nós já sabemos de cor.
  • 21:22:43 zipvaladares@yahoo.c Sei da sua retidão, mas sei também que és chegado a desvios. A tua escrita é subversiva...
  • 21:21:21 Luiz Filho Na leitura das atitudes que são satirizadas, Geovane. O reflexo dessa
  • 21:20:52 Geovane Monteiro O que esperar do nosso tempo “ infernético”?
  • 21:19:10 Geovane Monteiro Em Das Bocadas Infernéticas, como os poemas visuais, com suas palavras entrecortadas reagem ao boom do mundo virtual, alcunhado por Zygmunt Bauman, em sentido lato, de “sociedade líquida”?
  • 21:18:49 Luiz Filho Valeu, Wilson. Abração.
  • 21:18:37 Luiza Cantanhêde saindo da conversa...
  • 21:18:18 Luiz Filho O tudo e o todo, Valadares. kkk
  • 21:17:42 Luiza Cantanhêde Muito bom participar, perguntas e respostas importantíssimas ( aprendi mais um pouquinho) boa noite a todos
  • 21:17:23 Luiz Filho Questão complicada, Geovane. Simplesmente (ou trabalhosamente!) o poema nasce de uma ideia que surge influenciada por uma cena, por uma leitura, uma música... Aí é ver o que está sendo sugerido e trabalhar com o conhecimento adquirido. Nesse aspecto, pra mim que estudei Letras, o conhecimento da língua, de sua história, de seus matizes profundos.
  • 21:15:48 Luiza Cantanhêde Muito bem Luiz, no meio de tantas, sempre encontramos nossa voz
  • 21:14:43 JOSENETO1984 saindo da conversa...
  • 21:14:37 JOSENETO1984 Obrigado pelo convite, Luiz. Que mais construções surjam da tua verve. Boa noite.
  • 21:14:13 Luiz Filho Até o meio da canela, Luíza. Mas, claro, como disse, sou eu de um lado, tentando inscrever minha originalidade, e os outros o tempo quase todo me chamando pra eles. Isso é bom. Escrevo sem me preocupar com isso. Mas o que resta, aquilo que escrevo, sou eu vindo deles e de mim...
  • 21:11:56 Luiz Filho Sou romântico somente pela lado da rebeldia a que o Romantismo se propôs, Valadares. Nada de coisinhas doces, mas claro gosto delas também (Tá vendo, estou sendo contraditório como os românticos!! Kkkk).
  • 21:10:16 Luiz Filho Aqueles de que mais me aproximo, Cunha e Silva Filho, estão marcados na minha poesia, que vc tão bem conhece.
  • 21:08:52 Wilson saindo da conversa...
  • 21:08:39 Wilson Luiz, agradeço o convite. Fiquei mais lendo do participando. Foi bacana conhecer melhor seu processo criativo. Devo sair agora. Boa noite para todos. Abraços
  • 21:08:34 zipvaladares@yahoo.c Filhinho, o que mais te alucina, quando escreves, o tudo ou o todo...
  • 21:08:00 Geovane Monteiro Acompanhando aqui a indagação de Zipvaladares@yahoo.com, como equilibrar numa mesma obra, ou até num mesmo poema, ( ou a expressão para Das Bocadas Infernéticas não seria equilíbrio?) lirismo, sátira e romantismo?
  • 21:07:46 Luiz Filho 2 Pessoal, desculpem a repetição. Esse computador não vai aguentar esse ritmo... kkkk
  • 21:07:10 Luiza Cantanhêde Luiz, Roland Barthes, diz que "todo texto é um intertexto; outros textos estão presentes nele, em níveis variáveis, sob formas mais ou menos reconhecíveis" Suas " bocadas" se inserem neste contexto até que ponto?
  • 21:06:45 Paulo Tabatinga saindo da conversa...
  • 21:06:22 Luiz Filho Elas estão salvas pela internet, Vívian. Mas o Valadares diz isso porque ele acompanhou o processo de criação de BardoAmar (que depois vou enviar pra vc, junto com meu Onde Humano). Mas a reescritura é uma estratégia que utilizo pra melhorar e desacralizar o texto original. Se tiver uma sacada em cima de um poema já publicado, não tenho cerimônia em rescrevê-lo.
  • 21:06:02 Luiz Filho Elas estão salvas pela internet, Vívian. Mas o Valadares diz isso porque ele acompanhou o processo de criação de BardoAmar (que depois vou enviar pra vc, junto com meu Onde Humano). Mas a reescritura é uma estratégia que utilizo pra melhorar e desacralizar o texto original. Se tiver uma sacada em cima de um poema já publicado, não tenho cerimônia em rescrevê-lo.