• 21:56:17 Flávio Bittencourt saindo da conversa...
  • 21:56:16 Silvia Abreu saindo da conversa...
  • 21:56:08 Moderador saindo da conversa...
  • 21:55:54 Silvia Abreu Boa noite!
  • 21:55:18 Moderador Boa noite!
  • 21:55:05 Flávio Bittencourt Boa noite, até a próxima, se Deus quiser!
  • 21:54:59 Moderador O próximo a participar do bate-papo é o escritor Miguel Carqueija, que conversará sobre a sua novela a Batalha do Poder, publicada originalmente aqui em Entretextos. Próximo bate-papo será dia 06 de janeiro, a partir das 20h( horário de verão).
  • 21:54:00 margarete350 Muito obrigada, essa foi uma nova e interessante experiência. Boa noite a todos!
  • 21:53:21 Moderador Agradecemos a todos pela participação no bate-papo. Obrigado ao Flávio, `à Silvia e principalmente, à escritora Margarete Centeno. Boa noite a todos!
  • 21:52:46 margarete350 Continuar escrevendo para todos os sites e revistas com os quais colabora há algum tempo, incluindo, é claro, a ENTRETEXTOS. Mas estou organizando um novo livro, uma espécie de continuação do primeiro, mas dessa vez, só com histórias sobre homens e mulheres da ciência. Tenho um longo ano pela frente, organizando e depois tentando uma nova publicação. Mas estou animada e confiante!
  • 21:50:22 Moderador Quais seus projetos literários?
  • 21:50:10 margarete350 Acredito que não tenha um público alvo muito específico. Escrevo para todos. As crônicas estão impregnadas das minhas ideias e opiniões sobre os mais variados assuntos, assim quem me lê pode ser qualquer um. Já os contos sobre ciências, esses escrevo para quem gosta e acha que não gosta de ciência, sempre com o objetivo de dismistificar e, quem sabe, atrair mais gente para o lado da Física.
  • 21:47:20 Moderador Quem são os principais interlocutores de seus contos e crônicas, Margarete? Amigos professores, alunos, escritores? Quem?
  • 21:45:52 margarete350 Confesso que já pensei em utilizar meus textos na minha sala de aula, mas recuei da ideia. Motivo? Tinha receio que achassem que estava me autopromovendo.
  • 21:44:40 Moderador Há textos seus trabalhados em material didático em escolas em que ensina? Ou prefere que não estejam?
  • 21:43:39 margarete350 Pois é, não. Mas já tentei. O problema é que o ensino está muito fragmentado e os alunos (e suas famílias) acreditam que Física e Literatura são coisas totalmente diferentes. Mas tenho esperanças que no próximo ano possa mudar essa ideia porque agora todos sabem que escrevo e o quê escrevo. Mas sei que não vai ser fácil.
  • 21:41:07 Moderador Você utiliza textos literários em aulas de Física?
  • 21:40:01 margarete350 Foi um prazer Flávio!
  • 21:39:43 Flávio Bittencourt Obrigado.
  • 21:39:23 margarete350 É que do meu ponto de vista, a mulher moderna, trabalhadora não tem tempo e nem disposição para futilidades. Claro que existem ainda muitas patricinhas por aí mas acredito que estão em menor número, pelo menos por onde circulo.
  • 21:37:40 Silvia Abreu Atenção Entretextos! Crie um link para o catálogo de livros da Universidade!
  • 21:37:18 Flávio Bittencourt Obrigado pela resposta, grávida de complexidade. Concordo com suas posições, continuamente. Levanto uma lebre, contudo, agora, uma vez que não é possível que se concorde sempre com outra pessoa, já que, às vezes, não concordamos sequer conosco. É que vc escreveu o seguinte: As patricinhas e as dondocas são espécies em extinção (crônica QUANDO A FUTILIDADE É NOTÍCIA, neste Portal), mas vejo patricinhas, metrossexuais e dândis, aos milhares. Houve exagero seu? Acredita nisso?
  • 21:36:35 margarete350 Pois é, a minha editora é a EDIPUCRS, uma editora acadêmica. Assim, ele é vendido na própria universidade e pelo site. É uma circulação bem restrita, infelizmente.
  • 21:35:14 Silvia Abreu Como anda a digulgação e circulação de seu livro. Está reestrito ao Rio Grande do Sul?
  • 21:34:46 margarete350 Puxa, vários! Estou olhando para eles agora. Vou citar alguns: Saramago, Milton Hatoum, Rubem Fonseca, Mario Quintana, Mario Vargas Llosa, entre outros.
  • 21:33:08 Moderador Quais escritores são presença em sua estante?
  • 21:32:26 margarete350 Clareza em primeiro lugar. Depois ter a capacidade de sensibilizar o leitor. Um texto que não toca o coração e a mente de quem lê não merece ser lido e nem lembrado.
  • 21:31:09 Moderador Qual qualidade, acima de tudo, deve ter um texto, para que o considere bem escrito?
  • 21:30:22 margarete350 Olha Flávio, no meu livro os dois últimos contos são justamente sobre eventos modernos. O primeiro deles chamei de "A Maior vergonhada História" onde narra sob três pontos de vista o evento na queda da bomba atômica e ali tento mostrar o horror e a vergonha que isso se tornou para a humanidade. O segundo e último conto é sobre o experimento do CERN sobre a busca da "partícula de Deus", nome, aliás, que eu acho completamente inadequado. Enfim, amo a ciência, mas sei que ela é falha.
  • 21:26:26 margarete350 Para as crônicas utilizo muito notícias de jornais, mas muitas vezes, também me inspiro em coisas que aconteceram comigo ou com amigos. Já os contos é mais difícil, precisa muito estudo e pesquisa, principalmente, os contos que envolvem história da ciência. Estes são os que me dão mais trabalho.
  • 21:24:59 Flávio Bittencourt Sábios alunos, pobre físico. Por falar físico, Com Oppenheimer, colegas da equipe e os artefatos Garotinho ou Little Boy e Homem Gordo ou Fat Man, as bombas nucleares que arrasaram 2 cidades japonesas, a ciência (toda ela) passou a ser vista com enorme desconfiança e grande pavor. Esse lado sobrio, de elevada periculosidade à nossa espécie, imagino que não faça parte de sua admiração. Mas você só vê o outro lado (por ex.: vivemos mais tempo do que no passado)?
  • 21:24:35 Silvia Abreu O que mais estimula você a escrever? Existe alguma situação especial?
  • 21:23:03 margarete350 Sempre acho que está faltando alguma coisa, que poderia ser melhor. É tão difícil que depois que o texto é publicado não gosto muito de ler, pois sempre encontro defeito ou erros que não tinha percebido. Agora, por exemplo, ando revisando textos antigos, quando começei a escrever e quando os leio não acredito que fui eu que escrevi.
  • 21:21:16 Moderador Do ponto de vista do estilo, como a Margarete leitora-revisora de seus próprios textos vê a Margarete escritora?
  • 21:20:51 margarete350 Ah, com certeza! Simplesmente, durante e depois da oficina, meu texto deu um salto em qualidade. Era um novo olhar, uma crítica com fundamento que ajudou a qualificar o meu texto. Agora, por exmeplo, não estou fazendo oficina, mas estou cursando na PUCRS um curso de extensão chamado Escrita Criativa e está sendo simplesmente FANTÁSTICO!
  • 21:18:49 Moderador Você participou de oficinas literárias, conforme divulgou na orelha de seu livro recém-lançado. Você entende que elas podem fazer a diferença na formação dos escritores?
  • 21:18:30 margarete350 Acham SUPER estranho! Teve, inclusive, o caso de um colega, também professor de Física, que chegou a dizer em plena sala dos professores que eu era uma "professora de física esquisita, pois onde já se viu gostar de literatura". Puxa aquilo foi demais para mim e o pior é que não consegui falar nada na hora. Os alunos, ao contrário, acham muito legal e me dão a maior força
  • 21:15:42 Silvia Abreu O que dizem o leitores mais próximos sobre uma professora de Física escrevendo literatura?
  • 21:15:05 Flávio Bittencourt Boa Noite, Silvia Abreu!
  • 21:14:06 margarete350 OI, Sílvia! Boa noite!