Dilson Lages Monteiro Terça-feira, 28 de março de 2017
ANEXOS DA REALIDADE - MIGUEL CARQUEIJA
Miguel Carqueija
Tamanho da letra A +A

Vi uma coisa medonha no céu

(Miguel Carqueija)


Mergulhemos um pouco no mundo sombrio e tenebroso criado por H.P.Lovecraft: os horrores do Necronomicon

VI UMA COISA MEDONHA NO CÉU




    Quando engrenei a segunda, a chuva começou a cair em grandes bátegas. Dirigi pela Rua Solimões, no centro de Pedra Torta, em direção ao meu apartamento. Era um dia sombrio para mim. O dia em que um membro da família fôra internado em estado grave, no Hospital Maximino Godinho, e em que eu, esgotado, buscava o alívio da cama.
    Foi quando olhei para cima. Para as imensas nuvens de chuva, encasteladas pelas alturas. Escuras e ameaçadoras, despejando suas rajadas líquidas e frias.
    A princípio foi apenas uma vaga impressão. Ao parar num sinal vermelho, porém, reparei com uma sensação de horror na configuração que aparentavam aqueles cúmulos-nimbos. Como as nuvens são objetos disformes e em constante transformação, talvez só eu, entre tantas pessoas, houvesse flagrado aquela aparição assustadora. Algo semelhante a um dragão, em meio a tentáculos. Algo, só por um instante entrevisto, tão horrível que apenas o caráter efêmero da visão pudera torná-la suportável.
        Eu devia, é claro, estar com a imaginação superexcitada. O sinal abriu, eu dei a partida e logo constatei que já não havia, no céu, nada semelhante a um dragão ou polvo.
    Ao chegar em casa, logo antes de começarem os piores trovões que já ouvi em toda a minha vida, constatei que a minha esposa não estava; deixara porém o jornal do dia — o Diário de Pedra Torta — sobre a minha escrivaninha.
     Peguei-o e comecei a ler. Chamou-me a atenção, na página seis, uma pequena notícia:
    
    LIVRO RARO E TENEBROSO SOME DA BIBLIOTECA MUNICIPAL

    E assim rezava o texto:

    “Foi constatado, pelo Professor Rozendo Ancona, diretor da Biblioteca Municipal de Pedra Torta, o sumiço de um de seus livros mais raros, o estranhíssimo “Necronomicon”, volume 2. Consta que o original do volume 1 é guardado a sete chaves na universidade norte-americana de Miskatonic. Ambos são coleções macabras de relatos sobre criaturas que, no passado, teriam dominado a Terra. A superstição em torno do Necronomicon sustenta que a invocação dos seres antigos, por meio dos ritos contidos nesses volumes, traria de volta os referidos seres. Por isso o Prof. Ancona acredita que se trata de roubo efetuado por fanáticos esotéricos.”

    Apesar da ausência de motivo lógico, aquela notícia me impressionou profundamente.
    Resolvi fazer um lanche antes de deitar, pois já anoitecera e eu me encontrava deveras fatigado. Ao abrir a geladeira, porém, senti-me sacudido. Espantado, fechei rapidamente a porta da geladeira e agarrei-me a ela, enquanto o assoalho tremia. Então fui jogado ao chão, pratos e talheres caíram da mesa, o armário desabou, e em meio ao tremor escutei nitidamente espantosos bramidos que duraram alguns intermináveis minutos.
    Esta foi a minha experiência pessoal. Não quis me aproximar da montanha que ruge — nome com que foi apelidado o Morro Azul, desde que — no dia do sismo — surgiram-lhe estranhas fendas por onde se escutam, às vezes, aqueles terríveis bramidos, que parecem provir de alguma monstruosa besta das profundezas, ansiosa por libertação. Posteriormente o Necronomicon II foi encontrado junto a um cadáver carbonizado, identificado como o corpo de um pesquisador de fenômenos esotéricos. Certamente, o ladrão do misterioso livro. Que porta tenebrosa ele terá tentado abrir? E com que objetivo?
    Hoje eu conheço o Necronomicon, e peço a Deus que o bom senso vença, em mim, a mórbida curiosidade. Não o peguei emprestado, limitei-me a lê-lo na própria biblioteca, sob o olhar preocupado da velha bibliotecária Berta, que não parecia aprovar a leitura daquela obra obscura e assustadora. E hoje, atormentado pela simples leitura de um livro, eu me pergunto se tudo aquilo não é verdade, e se as forças das trevas não se encontram represadas e furiosas, abaixo da superfície, aguardando a chance de subir e nos dizimar ou escravizar. E me pergunto por quanto tempo Morro Azul resistirá à pressão da besta-fera que, lá por baixo, se encontra prisioneira e cheia de ódio, urra e se contorce, e o que acontecerá quando ela sair. E, sobretudo, me pergunto que aparência terá aquele ser. E sinceramente espero não viver o bastante para testemunhar aquilo que virá um dia.

 

Compartilhar em redes sociais

Comentários (0)

Deixe o seu comentário


Reload Image








Últimas matérias da coluna

28.03.2017 - Anti-homenagem

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

08.03.2017 - CATARINA DE SIENA

04.03.2017 - Fantoches de Deus: fraquíssimo romance de Morris West

26.02.2017 - Carta à Tribuna da Imprensa, 22/7/1998

18.02.2017 - As memórias de Cunha e Silva Filho

16.02.2017 - A Filha da Floresta, de Thales Andrade

08.02.2017 - Psycho Pass episódio 4: Akane no mundo virtual

31.01.2017 - O farol de Virginia Woolf

24.01.2017 - O clichê da criança monstro

19.01.2017 - A verdade sobre a II Guerra Mundial

09.01.2017 - Walt Disney e o cavaleiro sem cabeça

06.01.2017 - Tempos de crueldade

30.12.2016 - A saga da meia-elfa

22.12.2016 - Psycho Pass episódio 3: o Japão sob isolamento

Ver mais
Livraria online Dicionário de Escritores Exercícios de criação literária
Entretextos Acadêmico
Rádio Entretextos
Livros online Aúdios

Imagens da Cidade Verde: entrevista com o escritor Ribamar Garcia


Os anos da juventude, entrevista com Venceslau dos Santos


Listar todos
Últimas matérias

28.03.2017 - Anti-homenagem

Hoje eu anti-homenageio o Governador do Rio de Janeiro, Sr. Pezão

28.03.2017 - VOLTO AO ASSUNTO: A CRIMINALIDADE BRASILEIRA

É um truísmo

27.03.2017 - Agrônomo Francisco Parentes

O acadêmico Reginaldo Miranda reconstitui a trajetória do pioneiro da agronomia no Piauí e fundador do Estabelecimento Rural São Pedro de Alcântara.

27.03.2017 - Guardem as cinzas - Esta é a novela de Andrea Ferraz

Uma novela na linhagem das tragédias gregas e universais

23.03.2017 - Antenor Rêgo e seu dicionário de “Piauiês”

Em seu Dicionário do Piauí – a língua piauiense, de 160 páginas, estão catalogados em forma de verbetes, conforme consta na capa, o linguajar, as expressões, as sabenças, os falares, os costumes e as curiosidades de nosso povo.

22.03.2017 - AVIDEZ PELO DINHEIRO, FALTA DE ÉTICA E SOLUÇÕES VIÁVEIS PARA O BRASIL

Tudo que se fez para desmoralizar a imagem do Brasil tem uma origem comum

20.03.2017 - A PEDRO COSTA

Dizem que ninguém é insubstituível. Tal premissa terá uma chance de se provar verdadeira, a partir de agora, com a partida prematura e inesperada de Pedro Costa, em relação aos seus empreendimentos, sonhos, anseios e desejos

19.03.2017 - Poema de Heinrich Heine

poesia

18.03.2017 - Anísio Brito

O acadêmico Reginaldo Miranda traça o perfil biográfico de um professor e historiador piauiense.

18.03.2017 - José Antonio Reguffe

A mídia pouco fala desse homem de comportamento exemplar entre os políticos!

17.03.2017 - BANDEIRAS DE FERRO

Somos todos devedores dos ares que vêm de lá

16.03.2017 - A ELIZETH

Recebo um presente rico.

16.03.2017 - No Cemitério da Ressurreição

Ao aproximar-se de mim, eu lhe disse que estava olhando minha própria sepultura.

15.03.2017 - POR QUE SÓ AGORA?

Se os políticos

15.03.2017 - A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

A APARIÇÃO NA ALAMEDA DE MALLARMÉ

ENTRETEXTOS - DÍLSON LAGES MONTEIRO
Baloon Center, Av. Pedro Almeida nº 60, Sala 21 (primeiro piso) - São Cristóvão - Teresina - Piauí - CEP: 64052-280 Fone (86) 3233 9444
e-mail: dilsonlages[@]uol.com.br