DÍLSON LAGES MONTEIRO

BREVE CURRÍCULO LITERÁRIO

 

Dílson Lages Monteiro, professor, poeta, ficcionista, editor e produtor cultural, nascido  a 14 de dezembro de 1973, em Barras-PI,  é autor de 14 obras publicadas.

O PROFESSOR – licenciado em Letras pela Universidade estadual do Piauí (1994), com especializações em Língua Portuguesa (PUC-SP) e em Revisão de Textos (PUC-MG), exerce o magistério no Ensino Médio desde 1992. Atua como professor de Literatura e de Leitura e produção de textos na rede particular de ensino desde 1992. Foi professor, entre outras instituições, da Escola Dom Bosco (1994), do Instituto Dom Barreto (de 1995 a 2003, de 2007 a 2011, de 2014 aos dias atuais) e do Educandário Santa Maria Goretti (de 1997 a 2002). Exerceu também o magistério superior, na Faculdade de Ensino Superior do Piauí (1999 a 2001). Criou em 2002, em Teresina, o Laboratório de Redação Prof. Dílson Lages, onde orienta, até os dias atuais, dezenas  de jovens que buscam aprimorar a competência linguística.

O ESCRITOR – Dílson Lages é  autor das seguintes obras:

a)Mais Hum (poemas – 1995);

b)Cabeceiras: a marcha das mudanças (estudo historiográfico – 1995) - coautoria

c)Colmeia de concreto (poemas – 1997);

d)Os olhos do silêncio (poemas – 1999);

e)A metáfora em textos  argumentativos (ensaio – 2001)- duas edições

f)O sabor dos sentidos (poemas – 2001)

g)Entretextos (artigos e entrevistas – 2007)

h)Texto argumentativo – teoria e prática (didático – 2007) – três edições, adotado em diversas escolas como livro-base para alunos de terceiro ano do Ensino Médio; entre as escolas que o adotaram, o Instituto Dom Barreto, de 2008 a 2010.

i)Adiante dos olhos suspensos (poemas – 2009)

j) O morro da casa-grande  (romance – 2011) – duas edições. Obra adotada como leitura obrigatória  em várias escolas, inclusive fora do Piauí. Entre as escolas que estudaram o livro em Teresina, entre os anos de 2011 e 2014, estão  Instituto Dom Barreto, Colégio Sagrado Coração de Jesus  e Integral (Anglo).

l)O rato da roupa de ouro (infantil – 2012) – livro adotado por diversas escolas do Piauí e fora do Estado. Recebeu do crítico literário José Castello minuciosa resenha, publicada originalmente no jornal O Globo do Rio de Janeiro (segue junto à fortuna crítica).

m)Ares e lares de amores tantos (poemas – 2014).

n)Meus olhinhos de brinquedo (poema infantil – 2014)

n)Capoeira de espinhos (novela – 2017)

(Excertos da fortuna crítica em anexo)

 

O escritor possui dezenas de textos literários e acadêmicos publicados em diversos alternativos de cultura de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo e Rio Grande do Sul.

 

 

O EDITOR – em parceria com o livreiro Leonado Dias, Dílson Lages editou as seguintes obras:

Gavião Vaqueiro – o bom ladrão da floresta (novela infanto-juvenil), de Assis Brasil – duas edições;

Nemo, o peixinho filósofo (novela infanto-juvenil), de Assis Brasil;

O gato maluquinho que amava uma borboleta (novela infanto-juvenil), de Assis Brasil;

Um poeta chamado grilo (conto infanto-juvenil), de Assis Brasil;

O menino que vendeu sua imagem, de Assis Brasil (novela infanto-juvenil)– duas edições;

Gavião vaqueiro – casamento Kamayurá (novela infanto-juvenil), de Assis Brasil;

O mistério da estrela Tainahakã (conto infato-juvenil), de Assis Brasil;

Beira rio beira vida (romance), de Assis Brasil;

Os que bebem como os cães (romance), de Assis Brasil;

Janelas bíblicas para a eternidade, de Dom Ramon Lopez (ensaio religioso);

O morro da casa-grande (romance), de Dílson Lages Monteiro – duas edições;

Parangolé (romance), de Adrião Neto;

Ondehumano (poemas), de Luiz Filho de Oliveira;

Ecos do meu caminho (poemas) Jose lobão;

Cambacica (novela), de Halan Silva;

Os nadinhas (conto infanto-juvenil), de Assis Brasil;

Contos de minha terra (contos), de José Ribamar Garcia;

Cinturão de Fogo (ensaio reportagem), de Toni Rodrigues;

Dicionário de expressões piauienses (folclore), de Antenor Rêgo Filho;

Estórias de minha gente (contos), de Constâncio Rêgo Furtado;

Facto verso: todo universo de membros dispersos (poemas), de Márcio Mello;

Nova ciência: uma ponte para o trans-humano, de Agenor Martins;

Hoje livre sou (ensaio religioso), de Pe. Rivaldo Muniz Araújo;

A menina e a estrada (autoajuda), de Sérgio Idelano Alves Matos;

Modernas teorias literárias – uma introdução , do professor aposentado da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rogel Samuel.

 

Pelo selo editorial  Entretextos – portal e editora,  editou individualmente  a  seguinte obra:

Memorial do ouro, romance do historiador e genealogista  carioca Gilberto de Abreu Sodré Carvalho.

Como editor, trabalha atualmente na edição de Estudos de literatura piauiense (tomos I e II), de Cunha e Silva Filho e, em conjunto com o livreiro Leonardo Dias, na reedição de livro sobre literatura infantil da professora Socorro Rios Magalhães.

 

O PRODUTOR CULTURAL – Dílson Lages criou em 2004 o Portal Entretextos (www.portalentretextos.com.br). Com média de 50.000 acessos mensais, medidos pelo Google Analytcs, hoje, é  site de referência nacional na divulgação da literatura brasileira. Colaboram permanentemente com o projeto autores de diversos estados e escritores portugueses.

Em artigo intitulado “O uso de blogs e chats no ensino de literatura”, publicado na revista Letras Hoje, da PUC-RS, o professor da universidade Estadual de Maringá (UEL), Dr. Marciano Lopes e Silva, recomenda Entretextos como uma das páginas literárias em Língua Portuguesa com conteúdo relevante para utilização em aulas de literatura (http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/viewFile/7528/5398) . Artigo em anexo.

Textos do Portal Entretextos são utilizados atualmente em atividades do projeto didático A didatiteca virtual de ensino em português, elaborado pelo Departamento de Português do Centro de Ensino de Línguas Estrangeiras da Universidade do México (CELE – UNAM), conforme revela solicitação anexa.

Ministrou, ao longo da última década, várias oficinas literárias e minicursos sobre poesia e sobre a construção do sentido do texto. Assinou em parceria, no Jornal Diário do Povo, de Teresina, em 2003,  a coluna O sabor das Palavras.

 

Fortuna crítica sobre a produção literária em prosa

a)O rato da roupa de ouro

 

A matéria do poder

Por José Castello

O GLOBO – 30.11.2013

Chega-me de Teresina, Piauí, “O rato da roupa de ouro”, narrativa infantil de Dílson  Lages Monteiro (FOTO), com ilustrações de Ângela Rego (Nova Aliança Editora/Portal Entretextos). Um delicado esforço para aproximar as crianças de um dos mais complexos temas do mundo contemporâneo: o poder. Crianças precisam de limites.

A compreensão da opressão, porém, as ajuda a entender melhor os limites desses limites e a distinguir o respeito ao outro do desprezo pelo outro. Um tema doloroso, que Dílson transforma, porém, em um relato inspirador. “A sombra da lua caminhava entre pedras. Galhos secos espreguiçavam seus braços e pernas”, começa Dilson, humanizando a natureza e tornando-a menos angustiante.

Os animais que a habitam vivem sob o jugo de um rato. Ele dá as regras, ele diz como cada um dos bichos deve ser. “Vence os dias o mais adaptado, o mais rápido, o mais atento, o maior em esperteza e sabedoria”, pensa. E é assim, segundo seus próprios valores, e sem considerar os alheios, que governa um casarão abandonado.

Tanto o rato é esperto que, em vez de impor seu governo com a violência, o impõe com a adulação. Sua política é a da submissão de almas. Tira seu poder não tanto da força, que não tem, mas da astúcia, precioso e perigoso veneno. Mas o rato também tem seu limite: a cobra, que desliza pelas frestas do casarão. Diante dela, o rato todo poderoso treme. A cobra é seu inferno e, mais que isso, a fronteira que delimita seus atos.

Talvez — penso aqui — a cobra o leve a experimentar a precariedade do poder.

Escritores conhecem isso muito bem. Com seus rascunhos, anotações, esboços, eles tentam controlar narrativas e personagens sobre os quais, a rigor, não têm controle algum. Todo escritor tem um limite: sua própria fraqueza. Também o rato, cada vez que se defronta com a cobra, prova dessa fronteira precária que ele, no entanto, logo ignora.

O relato de Dilson é narrado por um frágil gafanhoto que, a toda hora, é obrigado a ouvir do rato uma ameaça: “Quero ver apodrecer cada pedaço de sua folhagem, gafanhoto imprestável”. O poder é cheio de vielas e de becos escuros. Na escuridão de suas entranhas muita coisa parece ser o que não é. “Cheguei a pensar que me poupava em sinal de gratidão”, admite o gafanhoto. “Eu ensinei o rato a pular e isso lhe permitiu saltar para um galho quando, de surpresa, uma serpente deslizava, pronta para o ataque”. Mas se existe algo que o rato — o poder — não tem é gratidão. Não tem limites para seu ódio. Também com os grilos e os caracóis o rato aprendeu a transformar-se em coisa morta, aprendeu a camuflar-se. Julgava não lhes dever nada por isso. Mas o poder vê a piedade como uma forma de medo.

Qualquer leitor, por mais jovem que seja, pode constatar as insuficiências do poder que o rato acredita possuir. A começar por sua veneração pela serpente — “Admiro mesmo os mais fortes” — que, apesar de majestosa, é a fronteira de sua desgraça. O rato admira ainda as borboletas e os insetos voadores, porque, do contrário, com o frágil recurso da leveza, são capazes de escapar de situações que, para ele, pesado e  iludido, se transformam em intenso perigo.

Um dia, uma tempestade arrasta o rato poderoso para um buraco, onde ele se vê prestes a sufocar. A natureza é muito mais forte do que ele, com sua arrogância, supõe. O gafanhoto se protege da enxurrada montado no topo de uma árvore bem alta. “Do rato, só tive notícias no dia seguinte. Para minha surpresa, dava ordens em um palácio”. A arrogância do poder não tem fim e, mesmo da desgraça, um rato pode tirar mais força. No buraco, seu corpo, em vez da lama, se cobre com um estranho  pó amarelo, que ele logo entende tratar-se de ouro. Mais ainda: logo entende que se tornou num pequeno Midas, que transforma tudo o que toca em ouro também. “O rato, então, percebeu que um poder misterioso tornava ouro tudo o que tocava”.

A generosidade do poder parece inesgotável, enquanto, na verdade, ela só se impõe sob certas condições. Se damos atenção a suas palavras, vemos que esse poder gerado pela desgraça se torna ainda mais ameaçador. Mas é ele quem ameaça: “Quem não obedecer transformarei em ouro”.

Só resta a sapos, grilos e gafanhotos, abatidos como escravos, transportar pedaços de ouro para a toca real. “No buraco já não cabia peça de ouro”. Mas o rato irá aprender que o poder é transitório, que a realidade dá bruscas guinadas e, quando menos se espera, inverte o destino das coisas. A realidade é fluida, móvel, e mesmo o mais sólido poder, mais cedo ou mais tarde, pode ser arrastado pela enxurrada do real.

Uma nova tempestade transforma seu buraco de ouro e pureza em um mar de lama. “Parece que as águas de todos os esgotos da cidade andavam juntas, tamanha a força com que entravam no esconderijo dos bichos”. A lama é o reverso do ouro. Ela surge para indicar não só os limites do poder, mas parte expressiva de sua origem.

O poder é fluido porque ele é sempre uma tomada de posição diante do poder. O que faço? O que efetivamente posso fazer? O que faço com o que efetivamente posso? Perguntas complexas atapetam o caminho dos poderosos. A única maneira de tornar-se digno do poder é, em vez de descartá-las, enfrentá-las. Mas o rato, confuso, levado pela lama revolta, desmaia. “Acordou faminto, no antigo buraco em que morava. Olhou ao redor. Ninguém. Ia sair, mas tremeu. Sentiu a respiração das serpentes”. O limite do poder é outro poder.

Enquanto isso, o grilo — que sempre apostou na leveza e nos saltos e se contentou com a precariedade de sua pequena força —, sarado da perna, volta a sorrir. Ele compreende que o poder é leve e transitório. Nunca dele esperou a salvação, mas apenas uma forma precária de proteção. Nunca o viu como destino final, mas como um caminho não para levá-lo para fora de si, mas para trazê-lo de volta a si. Por isso continua livre.

A história de Dílson Lages Monteiro conduz seus pequenos leitores a uma confrontação precoce (e divertida) com a fragilidade dos valores humanos. Mostra-lhes que eles são móveis, que eles são instáveis, que eles são transitórios — que eles são, enfim, o que define o próprio humano.

         José Castello é crítico literário de O Globo.

 

b)Fortuna crítica de  O morro da casa-grande

Rogel Samuel

O livro que nasce clássico



Recebo "O morro da casa grande" e mergulho em sua leitura, em suas "letras preciosas", como disse Genésio na página 18, e avanço em sua leitura, deliciado pelo ritmo daquela prosa.

O romance já nasce clássico. Sua prosa é a dos grandes escritores brasileiros contemporâneos, e como disse tem um ritmo, tem uma sonoridade, tem uma imagística própria, como que única.

Rogel Samuel é professor aposentado da Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, além de crítico literário e romancista.

 

O morro da casa-grande, segundo  Eneas Athanázio 

 

Terminei de ler com muito interesse sua novela “O morro da casa-grande”.

Confesso que fiquei surpreso por vários aspectos. Em primeiro lugar, pela linguagem muito peculiar e típica em que não faltam alusões às coisas e aos costumes locais, tendo como pano de fundo uma região do Piauí com nomes que soam curiosos para pessoas de outras regiões e que nos revelam novos aspectos deste pais tão vasto.

Em segundo lugar, agradou-me seu estilo, muito pessoal e característico, dando à narrativa um colorido peculiar.

Trata-se, enfim, de um livro agradável, de leitura saborosa, através do qual acredito ter aprendido mais um pouco sobre o Piauí e conhecido um autor com evidente talento para a ficção.

Meu parabéns e meus votos de sucesso.

Grande abraço,

Enéas Athanázio

 

Um memorial histórico nas coreografias do lirismo

O título de O morro da casa-grande, um romance de espaço, do escritor brasileiro Dílson Lages Monteiro (2012), por um instante anterior a minha degustação das palavras, levou-me para o título de Casa-Grande & Senzala, de Gilberto Freyre (1933). Não obstante, o texto de Monteiro trouxe-me outra dimensão de ordem dos coronéis nas propriedades de Barras do Marataoã - Piauí, não completamente distante do patriarcalismo daquele romance. O estilo lírico banha as memórias narradas do romance em questão, o que parece ser um convite ao leitor que se vê acorrentado nas linhas do primeiro capítulo da obra. Elejo dois pontos que mais despertaram atenção: a memória histórica e as coreografias do lirismo no âmbito da narração e da personagem de ficção.

Paulatinamente ao título, vale mencionar a correlação semiótica entre as epígrafes e o romance. Elas não são paratextos isolados, uma vez que há uma sólida comunhão delas com a essência da narrativa. De Carlos Drummond de Andrade, o romancista citou “A matriz desmoronada” e nesta o poeta mineiro cantou a efemeridade e longevidade das casas que morrem com o tempo. No capítulo “Cristo em pó”, o leitor depara-se com a ordem do padre para a demolição da igreja e a dor da multidão ao ver a imagem de cristo esfarelado, conforme a fala da vendedora de espanadores. Em Drummond, a epígrafe compara que casas são como pessoas. No romance não é diferente, pois almas diversas são esfareladas e esfaceladas em derramamento de lágrimas quando presenciam a imagem de Cristo fragmentado e demolido e sabem que a próxima tragédia será a Matriz de Barras (PI):

O estrondo dividiu a multidão curiosa e surgiu, em uma rapidez de assustar, gente de todas as ruas, às lágrimas, querendo levar para casa parte de Nosso Senhor, desfeito em minúsculos pedaços e em pó. Estava feito. Que a obra começasse. Em sessenta dias, as largas paredes da igreja da matriz seriam pó como já era o Cristo (MONTEIRO, 2012, p. 125).

As últimas imagens da obra rasgam-se em termos de lirismo narrativo e pinceladas dramáticas, além de casarem com as epígrafes dos poetas Drummond e Patativa do Assaré. Assim como na citação do poeta nordestino, em Monteiro, o narrador denuncia uma face da história em que o povo menos favorecido e os humildes foram colocados à margem em decorrência de deliberações dos “donos do poder” que imperou em Barras do Marataoã. Mais uma vez, enfatizo o título “Cristo em pó” que também funciona como metonímia para representar as mágoas e o coração partido[1] do povo, sem contar a dor de Deusimar no vigésimo quinto capítulo, onde o leitor confirma a veracidade da citação que “casas são como pessoas”. Relaciono o romance com esses paratextos porque acredito que são motes estratégicos de uma narrativa ficcional com marcas históricas. E sobre tais aspectos, recorto a outra epígrafe de Eric Neponuceno sobre “Quando a mentira é verdade”. Em O morro da casa-grande, a literatura brota como testemunho da arte da palavra para contar as verdades e, como Neponuceno: é ela “a melhor maneira de mostrar as realidades que a realidade oculta”.

Entre História e ficção, pode-se dizer que, em O morro da casa-grande, Coronéis e empregados (Genésio), a cidade de Barras e as fazendas projetam-se a palo seco, diria João Cabral de Melo Neto se aqui estivesse entre nós. O projeto de escritura histórica é seco, medido e racional, mas a forma como a narrativa é contada, sem dúvida, é de um lirismo derramado. Tal planejamento artificioso e estético sugere a finalidade de comunicar ao leitor a relevância de seres ou patrimônios históricos sem importância em detrimento dos coronéis que mandavam. Todavia, ao leitor menos experiente, tais figuras de poder parecem ter menor destaque no romance.

O narrador eleva personagens marginalizados pela história, os quais figuram como ficcionais como é o arquétipo do romance à clef [2], a exemplo de Genésio, dona Deusimar e seu bisneto, Custódio e, sobretudo Clemílson. Curiosamente, observe o leitor que o narrador empregou sete capítulos para distanciar as faces dos coronéis e focar no desaparecimento de Clemílson que vai de “Sangue da terra” à tragédia em “A cadeira sobre o morro”, onde são narradas muitas histórias, casos de Maria-encanto na casa-grande da Aurora, os quais viraram cordel cearense, resgatando os folhetos sobre o fim de Maria Izabel.

Casos de assombração contados nas fazendas, à beira do rio Marataoã, bem como a carta de Margarida endereçada a Custódio tornam-se fatos tão relevantes para o romance quanto os fatos históricos. Na epístola de Margarida, o leitor pode conferir que os realces sobre os banhos dos meninos nos açudes, a paz da família em Barras, os alimentos trazidos por Genésio, o pôr-do-sol em Marataoã e o casamento da filha de Custódio ganham evidência tanto quanto os boatos sobre a demolição da igreja, o fato histórico. No âmbito desses acontecimentos, a escritura de O morro da casa-grande parte da técnica de encaixe porquanto narrador concede voz a outros personagens que contam casos e histórias no morro e tal mecanismo no enredo parece interromper o fato histórico, transparecendo a ideia de novos conflitos que vão sendo encadeados com um conflito principal. Do conceito de encaixe, explica Tzvetan Todorov (1970) em As estruturas narrativas:

A aparição de uma nova personagem ocasiona infalivelmente a interrupção da história precedente, para que uma nova história, a que explica o ‘eu estou aqui agora’ da nova personagem, nos seja contada. Uma história segunda é englobada na primeira; esse processo se chama encaixe. (TODOROV, 1970: 123).

Este recurso empregado pelo narrador de O morro da casa-grande remete à mesma estratégia narrativa do Memorial do convento (1982), de José Saramago quando distanciou a figura de D. João V para dar voz aos menores, marginalizados pela História: Baltazar, Blimunda e os trabalhadores braçais na construção do Convento de Mafra. Não diferente de Saramago, Monteiro arquitetou seu romance de forma a priorizar figuras como a de Genésio para desmascarar o abuso de poder imposto pela figura do coronelismo. Ironicamente, o narrador, inclusive, ilustra que alguns coronéis são chamados assim por imposição e respeito, mas não deixam de ser inaudíveis igualmente a um “João-ninguém”:

            Coronel era gente que mandava [...] Gente que mandava. Mas conhecia muita gente a quem se chamava de coronel e não tinha terra nem debaixo das unhas. O Lourival do Mercado. Nem o nome mesmo dele se sabia (MONTEIRO, 2012, p.95).

Pode-se comprovar, a partir da voz narrada, que a figura dos coronéis foi tão esfarelada quanto às paredes do Altar-mor, o Cristo em pó e a Matriz de Nossa Senhora da Conceição das Barras. E aqui, examina-se muito bem o projeto de um poeta-narrador que soube empregar os ensinamentos de Aristóteles (1987) quando escreveu que o objetivo da história é mostrar os fatos como aconteceram, ao passo que o do poeta é narrar como gostaria que tivesse acontecido.

Entre a ficção e a história do/no romance, nossa memória de leitor não consegue esquecer-se de como o narrador enfatizou Genésio, a Igreja da Matriz, a cidade de Barras, o menino Mariano e sua bisavó Deusimar, Clemílson, Tonho Preto, Florisbela e seu leque poético, o Coveiro do Cemitério da Confraria, a multidão defronte a Matriz em relação à figura dos coronéis e a casa-grande que ficam aquém dos personagens citados. Por isso a referência ao título Casa-grande & Senzala algures. Numa rápida comparação, dir-se-ia que, em Monteiro, a senzala (os humildes) representaria a estrela maior e a casa-grande (coronéis) o fenômeno de menor importância.

Saliento ainda que a ênfase do narrador para a antiga cidade de Barras do Marataoã é tão delineada que o rio de mesmo nome parece adquirir vida humana em forma de lirismo puro: “O Marataoã parece que saiu do lugar – repetia a balconista, com o leque nas mãos. O leque dançando, dançando, ao som seco e abafado do vento. O leque atritando o ar em coreografias” (MONTEIRO, 2012, p.13). Esta poeticidade pode ser colhida também nas fotografias que compõem o romance, tais como “O pôr-do-sol no Marataoã” (p.56) e as duas imagens do “Rio Marataoã” (p.105).

Ultimando a minha impressão sobre o romance, na voz do cantor cearense Raimundo Fagner e ao efeito sacramental da música Ave Maria de Gounod, rememoro a dor dilacerada de Deusimar e suas lágrimas, o coroinha Marciano desesperado quando ouve a notícia acerca da demolição da igreja, o descontentamento da vendedora de espanadores na Rua do Caquengo, a fragmentação da fala de Genésio ao ver o caminhão de Ernesto Castelo Branco defronte a Matriz e o desejo do povo para salvar o Cristo. Nota-se que a sensação de perda e de ausência constitui-se o registro das gerações que arquitetaram a Matriz de Nossa Senhora da Conceição das Barras no morro da casa-grande, onde se aproxima da profecia bíblica que “tudo vindo do pó a ele retornará” como se as paredes fossem vidas. A fim de reter a imagem do passado, o corpo de Deusimar“adiantava-se à frente do espírito; os olhos querendo guardar a derradeira visão do altar” porque naquelas paredes tinham “uma vida inteira ali e a igreja era sua família” (MONTEIRO, 2012, p.110-111).

Por meio da memória viva e da subjetividade individual, o romancista resgata um passado que borbulha na eternidade do tempo. Narrar o passado histórico e experiências individuais é uma forma de reter o tempo na memória e, quiçá, eternizá-lo (RICOUER, 1979). Essa retenção do tempo perpassa no romance, nas imagens das fotografias (outro código de linguagem) e, aos poucos, vai sendo reescrita e reinterpretada nos moldes da ficção em densidade lírica, mesclando romance e poesia. A identidade patrimonial da terra sacramenta-se na memória de um romancista que não consegue desvencilhar de sua grande sensibilidade de poeta, descortinando para o leitor um documentário histórico de várias gerações que viram os sonhos de fé e devoção destruídos. O leitor de alma vazada não consegue ficar alheio ao sentimento mais cruel e melancólico dos personagens que protagonizaram a amargura proveniente da demolição do lugar sagrado das famílias religiosas em Barras, Piauí.

Tardiamente, cumprimento o autor pela estreia no gênero, asseverando que a minha breve e descuidada conferência sobre alguns capítulos de O morro da casa-grande é minúscula frente às múltiplas apreciações e exegeses que este grande romance proporciona ao leitor. Parabéns, Dílson Lages Monteiro.

 

 

Por Rosidelma Fraga  é Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Goiás– 01/06/2012.

[http://rosidelmapoeta.blogspot.com].

 


[1] Expressão emprestada do título da obra de Davi Arrigucci, em homenagem a obra de Drummond.

[2] Cf. definição de Francisco Miguel de Moura, "O morro da casa-grande é um romance histórico, onde campeia a poesia e cai a ficção para o seu degrau estritamente necessário, como todo romance à clef".


O morro da casa-grande

Francisco Miguel de Moura 

O título do romance de Dílson Lages lembra a agradável obra clássica de Emily Brontë, “O morro dos ventos uivantes”. Aqui, a sugestão bem me atrai, mas não me parece fácil escrever crítica de romance. Ainda mais porque sabemos da cultura, sensibilidade e criterioso modo de ser e de fazer literatura do Prof. Dílson Lages. Poeta dos melhores da nova geração, e, como divulgador e crítico, um incansável.

A crítica de romance merece muito mais atenção, por ser uma obra superior, assim como uma sinfonia feita de muitas vozes, mas no fundo uma obra ou monumento para ser lido e apreciado pelo povo nela figurante: personagens, história, forma de ser, de agir e de reagir. Reúne o clássico ao popular. Como na epopéia. E também porque tratamos do poeta, porém estreando na ficção, com “O morro da Casa Grande”.  Romance ou novela? Penso que hoje essas separações não são estanques, nem mesmo quando se referem à ficção menor: conto e crônica. No dia do lançamento, eu dizia que se tratava de um romance de espaço, e citei “Vidas Secas”, de Graciliano Ramos, para exemplificar. Ao encontrar o cachorro “Tubarão”, em companhia de Genésio, lembrei-me da cachorra “Baleia” e Fabiano. E nada mais seria de lembrar, mesmo porque o estilo do mestre Graça é muito seco e o do Dilson é bastante lírico.

Depois de uma segunda leitura, verifico que, de fato, “O morro da Casa Grande” é um obra ficcional de espaço, dentro da conhecida classificação do Prof. Massaud Moisés: romance de tempo, personagem e espaço. Os personagens mais importantes, aqui, são a cidade de Barras, a Igreja (mais do que a Casa Grande) e a fazenda (ou as fazendas). Mais que os coronéis, elevam-se Genésio (o empregado, o faz-de-um-tudo) e o menino Marciano (neto e bisneto de um dos coronéis). Por isto mesmo é um romance histórico, onde campeia a poesia e cai a ficção para o seu degrau estritamente necessário, como todo romance à clef. 

Mas é incrível como sua prosa levanta esse passado de Barras, da cidade que se desenvolve e das fazendas que decaem no patriarcalismo em extinção. Sente-se o gosto da terra e da gente fervilhando num passado que morre aos poucos e aos poucos se integra em novas formas de vida, trabalho e expectativas. A reconstituição saudosa, em vida e linguagem, desse passado recente – meado do século XX – é sem dúvida o grande mérito da obra, sem esquecer o estilo vazado com o esmero de mestre: - Claro, escorreito e poético do princípio ao fim, basta uma releitura do 1º capítulo tão elogiado, e com razão, pelo crítico Rogel Samuel, por seus movimentos: o rio Marataoã se deslocando, as ondas de vento e de luz, o leque da balconista Florisbela fazendo coreografias, a montaria em cadência, os cabelos das carnaúbas... Na verdade, um momento antológico da obra.

Cabe ressaltar que nossa literatura é rica em estilistas. Apesar das grandes diferenças, citamos José de Alencar, Machado de Assis, Graciliano Ramos e O.G. Rego de Carvalho, cujas leituras nos animam a sempre escrever com responsabilidade, paciência e paixão. Eles foram e são nossos mestres, e Dílson Lages deve ter bebido nessas e em muitas outras grandes fontes a prática do estilo e da criação que estimulam o seu talento. Muito mais teria a dizer, mas essas palavras bastam como testemunho: “O morro da Casa Grande” é uma obra valiosa e representativa da nova geração de escritores piauienses, filiando-se ao que seria uma epopéia moderna, onde sentimos que todos os acontecimentos estão sendo moldados como unidade estilística e poética, para relevo das tradições e estudo das grandes transformações que sofremos hoje, inclusive na literatura.

Parabéns, Dílson Lages, por sua estreia na ficção.

*Francisco Miguel de Moura, escritor brasileiro, mora em Teresina, PI. Membro da Academia Piauiense de Letras, da União Brasileira de Escritores (SP) e da Associação Internacional de Escritores - (IWA - sigla em inglês)


O morro da casa-grande, segundo o professor Acilino Madeira

Acabei de ler o livro O morro da casa-grande (e recomendo) do escritor piauiense Dilson Lages Monteiro. Uma relato prenhe de memórias, de recordações de uma cidade que viu sua Igreja Matriz ser demolida em 1963.

_ Na Rua da Caquengo, a vendedora de espanadores, descontente com o espetáculo, parou à porta de Marciano, avisando Dona Margarida:

_Cristo se esfarelou, dona Margarida!

Marciano recluso ao quarto, às voltas com as páginas da história do Piauí, parou para ouvir a versão da vendedora, mas nada entendeu além da notícia esperada, e ocorreu-lhe a bisavó repetindo:

_ Barras vai desandar! Barras vai desandar! Aqui não se teme nem os castigos de Nossa Senhora.

Nesta passagem o relato de um sofrimento pelo apagamento da memória, como se as autoridades decidissem para além da paralisia de quem não pode fazer nada… Assim foi e assim será o Piauí de esquecidas e apagadas memórias. O romance se passa em Barras de Marataoã pelos meados do século passado. O livro cheira a óleo ardente de babaçu saído do interior das amêndoas em tachos ardentes sob chamas, a farinha torrada nas pedras do forno do aviamento… o livro tem cheiro de Piauí, meu Piauí querido.

Um interior distante de gente distante das coisas modernas, um tempo em que o menino queria ser coronel, e a bisavó rezava pelas ausências dos males do mundo numa penitência eterna que só os católicos guardavam em silêncio.

O velho patriarca rogava aos seus:

_ Não se metam em politica. É coisa traiçoeira. Política é para os maus, os perversos, os sem-escrúpulo. Os bons são destruídos moralmente, por mais que façam.

Barras das famílias, das fazendas e dos alqueires herdados de destemidos desbravadores dos sertões mafrenses. Barras dos coronéis, das beatas e dos padres desalmados.
Esquecida, corroída de ternura amarelecida, e que um dia já foi o retrato do Piauí inteiro.
Barras.


A estreia de Dílson Lages Monteiro na ficção

Cunha e Silva Filho

            A história da literatura piauiense está a pedir uma história da ficção, se não com uma obra de maior alcance, pelo menos com uma boa síntese.

            O Piauí não tem muitos autores no campo ficcional, como não possui muitos filósofos segundo, certa vez, afirmou em trabalho ensaístico o jurista Celso Barros Coelho e, ao que me parece, no conto é bem mais aquinhoado, e, quantitativamente, mais ainda o é na seara poética.

            O primeiro ficcionista piauiense mais conhecido, registrado pela historiografia foi Francisco Gil Castelo Branco (1848-1891), autor de Ataliba o vaqueiro (1878). Valendo-me das principais fontes da historiografia das letras piauienses, a indispensável e pioneira obra de João Pinheiro, Literatura piauiense – escorço histórico, aquela obra de Francisco Gil é por esse historiador considerada uma coletânea de contos, saídos a lume em folhetim do Diário de Noticias do Rio de Janeiro, no ano de 1875.1 Como salientei atrás, a fortuna critica de ficcionistas piauienses é escassa e, num cômputo geral, sobressaem alguns nomes mais conhecidos e poucos os mais festejados.

            Dessa maneira, o surgimento de um novo autor no âmbito da prosa de ficção se reveste de momento auspicioso.

            O mais novo autor piauiense é, agora, Dílson Lages Monteiro, escritor muito jovem ainda. Ele é de 1973, nascido em Barras, município do Piauí. É formado em Letras pela UESPI.

            Dílson, como escritor, estreou como poeta, com obras bem acolhidas pelos leitores e pela critica. Contudo, sua atividade se estende à prática docente, desenvolvida em moldes renovadores, tendo como centro de interesse os estudos mais recentes da comunicação escrita, da análise do discurso, da linguística textual. Daí ter se tornado logo autor de uma bem realizada obra para a área da Redação, que é seu livro Texto argumentativo – teoria e prática (2007), publicado em Teresina. Quão longe estamos do Piauí dos anos sessenta, em que os estudos de língua e literatura ainda se realizavam com tão precários recursos teóricos nesses dois domínios dos estudos literários. O jovem professor, que é também editor,  mantém ainda dois encargos na área do conhecimento da escrita: tem seu Laboratório de Redação, que leva o seu próprio nome e  é diretor do prestigiado PortalEntretextos, um verdadeiro fórum cultural com ênfase em assuntos literários e dispondo de um bom  número de competentes colaboradores.

            Apesar da juventude, Dílson, dentre múltiplos afazeres, põe-se agora à prova de escritor de ficção com o seu recém-lançado livro O morro da Casa-Grande.2

            Propositalmente, usei, no parágrafo anterior, o termo “livro.” Sendo assim, me obrigo a penetrar no terreno da narratividade e, dessa forma, me aproximar de uma classificação que a minha experiência teórica melhor indicar, posto que, por ora, provisoriamente.

            Mais do que uma taxativa classificação genológica para a narrativa do livro do Dílson Lages, seria melhor me ater, primeiro, a alguns aspectos envolvendo a capacidade do autor em lidar com a criação ficcional, que para mim, em última instância, é o que mais importa.

            Comparando esquematicamente os instrumentos da linguagem do autor empregados na sua produção poética, um dado favorável me vem à tona: a ideia propiciada pela leitura da sua narrativa teria aquela mesma sensação da leitura de um texto poético, não necessariamente da autoria de Dílson Lages, mas daquilo que a leitura de um poema nos provoca, uma camada de natureza opaca, de natureza indefinida, que faria parte do ato da própria criação literária. E essa sensação aqui referida que me passou no momento da leitura aponta muito mais para a fruição de um texto bem pensado e elaborado, tocando os sentidos mais do que o mero ato comunicativo, mais do que o esforço despendido na análise da sua narrativa, através do trabalho exaustivo da decomposição de seus elementos estruturantes.

            Há um dado que muito conta a favor desse escritor: é que, ao lado da linguagem que, por vezes, tangencia a poetização do seu tecido literário, ao mesmo tempo existe um cuidado especial com a linguagem, com a sintaxe do discurso narrativo, e isso é bem visível no espaço do enunciado, no qualas imagens poéticas e o lirismo potencialmente forte se casam perfeitamente, numa harmonia de um discurso que trai um sabor - diria - clássico, mas clássico sem ser arcaizante, clássico à maneira do que fez Graciliano Ramos com o seu texto enxuto, comedido, sem arestas. Acompanha Graciliano Ramos no uso do discurso indireto livre. Usa às vezes enunciados de uma frase apenas, e nisso me lembra também Graciliano Ramos.

            Dílson Lages, atento aos segredos e ao domínio da comunicação literária escrita, não esquece esse recurso retórico, emprega os termos regionais referentes a objetos, a expressões do vocabulário do mundo físico ou cultural típico piauiense que fazem ressoar saborosamente aos nossos ouvidos relembranças do nosso tempo de memória da terra. Prima pela correção sem os exageros do purismo anacrônico, usa da tmese, trabalha a frase até o seu limite máximo de correção, sem, todavia, tornar o discurso narrativo arrevesado. Não cria linguagem nos moldes de Guimarães Rosa, está mais para os escritores sóbrios, de texto legível, claro, cristalino. Na obra houve poucos erros gráficos.

            O texto de Dílson nos empurra para a frente – li-o num dia -, nos força o intelecto e nos propõe indagações de ordem vária. Além disso, do início da narrativa até o desfecho, o comentarista dessa pequena narrativa não hesita em reconhecer estar diante de um narrador consciente de seu papel de escritor, de sua pessoal visão da existência dentro dos limites daquele recorte espacial e temporal - seu trabalho é com a memória imaginativa e histórica -, reunindo seres, crianças, mulheres, homens, velhos, natureza, hábitos rurais, costumes, ideologias implícitas, sentido religioso e formas de vida em decadência inescapável. Sua ambiência se passa entre o campo e a cidade interiorana dos anos cinquenta do século passado indo até aos inícios da década de sessenta daquele século. A extensão física da narrativa, segundo já assinalei, é pequena, nem dá pra nomeá-la de romance.

            Entretanto, o que verticaliza as possibilidades positivas da história relatada fica por conta do mundo interior de alguns personagens, com especial destaque para Marciano – símbolo da “ idade de ouro” – a infância.

            Marciano, quer me parecer, é personagem perfeito na sua composição. Tem vida própria. Às vezes, durante a leitura de O morro da Casa-Grande, me veio à lembrança a autenticidade e ternura do personagem Ulisses, de O. G. Rego de Carvalho.3 Não que se tenha a mesma situação vivenciada pelo personagem-central do romance do autor de Oeiras, mas pelo bom resultado da composição do personagem Marciano – apenas uma menino, um adolescente de 13 anos, com uma enorme carga emocional, bem como com seus questionamentos próprios da idade, causando perplexidades aos adultos que o cercam. Inclusive Marciano é um personagem que faz a travessia entre o campo e a cidade. Sua participação na história não pode ser negligenciada sob vários enfoques, social, histórico, ideológico, religioso etc. Não podemos negar ser Marciano uma das figuras centrais da narrativa

            A fabulação tem, porém, restrito número de peripécias (embora padeça de um grande número de nomes de personagens apenas citados, mas sem correspondente desempenho na história, ainda que como figuras secundárias) ou episódios mais relevantes à totalidade da narrativa, sendo que as duas principais, que impulsionam o narrador para a frente foram o acontecimento da morte trágica e misteriosa de Clemílson, com a forma engenhosa de relato não apresentando explicitamente alguns dados adicionais do incidente fatal, ou seja, deixando, a critério do leitor, algum espaço para especulação do fato. A outra seria os antecedentes e as consequências da derrubada da Igreja Matriz de Barras, em 1963, com toda a sequela de desdobramentos religiosos, culturais, políticos e sociais aí implicados.

            Os personagens outros que integram o plot, Genésio, coronel Custódio, coronel Alberto Pires, Deusimar, a bisavó carola de Marciano, deixam lá suas marcas pessoais e inconfundíveis.

            Entretanto, o leitmotif da narrativa não deixa de ser a derrubada da igreja na sua imbricação com a imagem fantasmagórica do morro da Casa-Grande. Dessas duas circunstâncias podemos depreender toda a motivação  do núcleo  do relato. A Igreja da Matriz  de Barras reforça esse elemento temático-nuclear com  a chancela histórica de ilustrações inseridas no corpo do texto , assim como de outras ilustrações e paisagens alusivas ao meio rural, a um antepassado histórico, ao rio Marataoã, a ruas de Barras, a outros logradouros da cidade e, finalmente,  a ilustrações representativas daquela igreja. Esses dados da realidade no campo e  na cidade, por assim  dizer, quebram a chamada ilusão ficcional, predispondo o leitor a uma volta ao mundo empírico e a ver a ficção como  uma mera construção imaginativa, mas não desligada dos seus liames histórico-culturais.

           A Igreja da Matriz funciona como constante índice do desdobramento da intriga até o epílogo. O morro da Casa-Grande e a Igreja da Matriz são os dois esteios centrais do livro. Valem, portanto, como personagens-símbolos. Tudo no desenvolvimento da narrativa serve para encontrar seu ponto de convergência, o morro e a igreja, cujo passo final é a destruição da velha Matriz. A ausência dela explica a própria decadência da vida e da época do coronelismo, exemplificado na frase inicial do capítulo 23: “Coronel era gente que mandava.”

4  Atente-se para a forma verbal pretérita “mandava”.


            Não há como não pensar na ficção do “romance de 30”, com Fogo morto, de José Lins do Rego, com Vidas secas, de Graciliano Ramos, por exemplo. Num, por retratar a decadência rural, noutro, por linhas transversas, com personagens como Marciano e o cachorro Tubarão, que palpitam de vida e de humanidade. Claro é que no Morro da Casa-Grande a dramaticidade não voa tão alto nem tem a dimensão trágica das narrativas mais densas. No entanto, na ficção inaugural de Dílson Lages há sinais palpáveis de habilidade e criatividade. Nas descrições modelares da vida rural, da fauna e flora nordestinas, piauiense, diga-se mais exatamente.

            Tampouco se ressente a obra do Dílson Lages de uma linguagem que demonstre ausência de recurso técnico-narrativos, visuais, de sondagem psicológica (aqui se afastando de traço do gênero novela), de desenhos certeiros e objetivos na caracterização dos personagens. Genésio, o agregado e capataz, por exemplo, é digno de nomeação pela vida que tem como criação literária. Marciano, nem se fala.

            Vejo que os comentários que acabo de tecer, num apanhado geral, estão longe de fazer jus a outras camadas subjacentes que fazem dessa narrativa um deleite para a leitura de uma ficção que se recomenda por si mesma e, por outro lado, coloca, sob os ombros do autor, a responsabilidade de dar continuidade a uma carreira de prosador, já promissora por todas as qualidades ou restrições que lhe possamos fazer.

Não quero concluir meus comentários sem, pelo menos, fazer um enquadramento classificatório final. A narrativa de Dílson Lages se insere no gênero da novela. Não obstante propiciar ensejos para uma visão da existência fragmentária, a obra sinaliza, no seu conjunto de capítulos, para possíveis desdobramentos de “células dramáticas” ( Massaud Moisés) próprias de uma novela e não de um romance, que é um passo final para descortinar uma visão totalizadora (Lukács). Em outros temos, para uma visão horizontal e vertical da complexidade da existência física, humana e mental.

 

NOTAS:

1.PINHEIRO, João. Literatura piauiense – escorço histórico. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves, 1994. Posfácio de Francisco Miguel de Moura. O leitor pode também consultar com proveito os historiadores Herculano Moraes, Francisco Miguel de Moura e Adrião Neto.

2. LAGES MONTEIRO, Dílson. O morro da Casa-Grande. Teresina; Livraria Nova Aliança Editora, 2009. Imagens da capa: Ângela Rêgo; Revisão: Luiz Filho de Oliveira.
3. CARVALHO, O. G .Rego de. Ulisses entre o amor e a morte. 7. ed. Meridiano, 1989.

4. LAGES MONTEIRO, Dílson. Op.cit., p. 95.



Coronéis e camaleões

Manoel Hygino dos Santos

                Dílson Lages Monteiro multiplica-se por quatro para seu projeto de vida: como poeta, cronista, professor e editor. Desde 2004, mantém o Portal Entretextos, para reunir autores de prestígio nas letras do Brasil e Portugal.

De dois em dois anos, publicou poesia: "Mais hum', "Colmeia de concreto", "Os olhos do silêncio", "O sabor dos sentidos", em 1995, 1997, 1999 e 2001, respectivamente, para, em 2009, apresentar o seu "Adiante dos olhos suspensos".

Professor há praticamente 20 anos, editou o livro didático "Texto argumentativo - teoria e prática", o ensaio "A metáfora em textos argumentativos" e "Entretextos - artigos e entrevistas". Pelo que aqui se informa, constata-se ser Dilson Lages Monteiro um devotado cultor da literatura e da língua pátria.

Agora ele se dispôs a ingressar num campo novo: o romance, e assim apareceu "O morro da casa-grande", 2009, pela Nova Aliança, de Teresina. Porque o autor é do Piauí e, ao entrar novo gênero, decidiu prestar homenagem tolstoiana à sua cidade natal - Barras.

No pequeno volume, bem elaborado, quase uma extensa crônica de uma cidade que se deixa envolver pelo fascínio do progresso, esquecendo velhas tradições e procurando, com sua população, um novo lugar ao sol do desenvolvimento.

Com esse propósito e diante da indesviável destinação, vê ruir costumes e construções, e entre estas a igreja de Nossa Senhora da Conceição das Barras, no morro da casa-grande.

É um trabalho interessante, a que não faltam vocábulos praticamente não usados no Sudeste e no Sul, expressões bem próprias do interior piauiense. Mas um texto agradável, com uma narrativa que faz sentido e tem propósitos claros, entre os quais o de proteger tanto quanto possível o legado das velhas gerações.

Primeiro, perdeu-se o cemitério "onde uma geração inteira se fechava, uma geração apagava o tempo. A filha Perpétua partiu primeiro. Antes dela, os dois netos: um, quase anjinho, de doença feia; outro, rapazote feito, de desastre".

Os personagens são típicos, como aqueles meninos que mataram o gordo camaleão na mangueira do quintal e o arrastaram com uma embira presa ao pé até uma palhoça. Lá, Maria abriu o bicho, tirou as carcaças de couro, limpou as impurezas e jogou a carne sem cor numa panela. Enquanto ela ria, Marciano, um dos curiosos, contorcia-se em náuseas, por muitos dias revolvendo na memória de criança a imagem do bicho fervendo.

Será que fariam isso com criança também?

Houve o dia em que um bando de ciganos cruzou a cidade, obrigando a população a se esconder em suas casas.

Temiam-se furtos, inclusive de meninas desprevenidas. Eram mais de cem e, da última vez em que por ali passou um grupo, levaram até as galinhas de Alzira.

O menino se perguntava: por que não davam para eles um pedacinho de chão para morar, já que eles corriam o mundo atrás de um quinhão de terra? As janelas ficavam fechadas, enquanto os menores se indagavam sobre as razões que levaram aquelas pessoas a perambular.

O adolescente, ou quase, se interessava por tudo e todos os detalhes. Atanava-lhe a figura do coronel, a gente que dava ordens. O que era mesmo um coronel? "Gente que mandava: mandava em gente, em bichos e na própria terra".

No entanto, o coronel já não tinha interesse em mandar. "Ele conhecia bem os sentidos dessa palavra, mas a substância dela perdera o gosto. Não mais desejava mandar no que fosse. Que mandassem os filhos, os netos. Queria somente - e não cansava de isso repetir - saborear o tempo que lhe sobrava... Vivia mastigando isso: Já não decido mais nada. Vivo para viver!"

O lugar mudava. Ele, coronel, queria paz de espírito, duvidando que os bisnetos conseguissem viver no campo. A vida passaria a ser nas cidades - vida de escolas, eletricidade, automóveis, rádio". Não iriam querer disputar espaço com árvores, bichos e escuridão".

Assim é esse livro, agradável, uma história bem alinhavada e descrita.

              Publicado originalmente no jornal Hoje em Dia (BH-MG), em 11.02.2010


Fortuna crítica sobre a produção literária em prosa

 

c)Excertos da fortuna crítica de + Hum Poemas

 Luiz Fernandes da Silva (João Pessoa-PB): 

"Seu processo poético tem uma técnica própria, um comprovado talento e, também, demonstra, sem dúvida alguma, uma densidade existencial na qual se encontram estampados traços dessa linguagem que nos faz bem ler. O que mais chama a atenção no seu livro “Os Olhos do Silêncio” é o brilho de sua inteligência, que fala em potencialidade imensa, uma admirável e produtiva visão das coisas que fazem a vida. Você, meu nobre poeta, merece receber o beneplácito do público e da crítica pela percetibilidade de sua abalizada pena." 

Roberto Carvalho (Brasília-DF): 

“Consciente, Dílson Lages varia os temas, fragmentando o discurso, conservando a musicalidade e o ritmo” 

Ari Lins Pedrosa (João Pessoa-PB)

A poesia que nasce da alma de Dílson está mergulhada num profundo inconformismo, do qual o poeta tira dos “altares gregos” a pureza dos seus pensamentos, usando a poesia reflexão e rimas disfarçadas.” 

Sérgio Júnior (Rio de Janeiro-RJ): 

“+Hum-Poemas”, de Dílson Lages Monteiro, é um livro simplesmente fantástico. O autor “doma” com maestria um turbilhão de emoções, conflituosas ou não, e sabe passar isso para o papel. O resultado é encantador”. 

Francisco de Assis Mesquita (Barras-PI): 

"Dílson Lages Monteiro não se incomoda com o que vê, não se move, simplesmente, ao ver desfilar tanta improbidade. Reage, luta, contesta, denuncia. E o faz com muita sabedoria, dentro de uma ótica que o caracteriza de uma perspectiva definida e sólida.

“+ Hum – Poemas” significa o enriquecimento do acervo das coisas boas que ainda temos, de bom gosto, sobretudo.

Dílson Lages Monteiro não é apenas mais um poeta nosso. É um daqueles que orgulham e engrandecem a grande galeria dos anjos pensadores da Terra do Intelectuais."

 

d)Excertos da fortuna crítica de Os Olhos do Silêncio


Por Luiz Paulo Bastos Cerejo (São Paulo-SP): 

"O HOMENZINHO que sou vibra em ser um PASSAGEIRO DO SOL. É bem verdade, O OUTRO LADO DA FACE existe, pois vivemos na dimensão da dualidade. Assim, inicia-se o PRENÚNCIO DA AURORA, do conhecer O MUNDO VISTO POR DENTRO: O ROSTO QUE SE REFAZ, que só mostra o sorriso da aceitação consciencial, como a estar Á SOMBRA DOS COQUEIROS. Nenhuma PERIPÉCIA URBANA é capaz de atravessar um SAMBA NA AVENIDA. O GALOPE DAS ESTRELAS é de tal ordem, de tal magnitude, que mesmo sem tempo de nos vermos, de nos examinarmos, nos sentimos vestidos com uma ROUPA NOVA. Os OLHOS NO INFINITO acompanham a VELOCIDADE MÁXIMA delas.

Nesse estado de êxtase, diante do cosmo, o mental inferior, horizontal, racionalizador e conceituador pára. Nessa dimensão sutil, o CANIBALISMO preconceituoso se extingue. É como se vestisse uma camisa-de-força, a viver numa eterna TARDE NEGRA. Um SONHO ENTRE GRADES de seu inconsciente, produzir-lhe-ia a sensação depressiva, que só O MISTÉRIO DOS DESERTOS é capaz de produzir. Uma ESPERANÇA EM FORMA DE NUVEM, no entanto, pode acenar com um outro MUNDO DIANTE DO SERROTE, a dizer-lhe que o FAROL DO APOCALIPSE tem a função, somente, de amedrontar.

Não há, realmente, nenhum interesse neste TIC TAC desse relógio a marcar um fim de mundo inexistente. Há, sim, FOLHAS QUE CAEM; que se locupletaram com os efeitos psicológicos lançados POR TRÁS DAS PALAVRAS e usadas como um CARROSSEL qualquer, para mais ludibriar. Este CORPO INCANDESCENTE é que morre, tem que explodir, a fim de que o ambiente planetário, neste POR-DO-DIA, sinta a CHUVA NA ALMA DO RIO, do seu rio, de si próprio, na direção do oceano. DE CORPO E ALMA, então, o viajante sente NAS CORDAS DA VIOLA a musicalidade contida em sua profundidade. Tudo de fora se torna qualificado, como se fosse UMA PARADA PARA A PASSAGEM DA MUSA.

Aí, O POETA CONTEMPLA A LUA, sem a SEDUÇÃO DO DESEJO. Ele já é o puro observador, a contemplar a beleza da natureza, onde se acha incluso. Os mínimos detalhes o extasiam. O VAGA-LUME VOA NA TARDE e ele o vê como um ANTÍDOTO PARA RESSACA.

Que (IN)DECISÃO pode ocorrer quando floresce a conscientização? Nenhuma. Afinal, OS OLHOS DO SILÊNCIO de DÍLSON LAGES MONTEIRO, nos ofertaram a decisão, a autenticação, a verdade, a compreensão."



Por Ronaldo Cagiano (São Paulo – SP): 

 

"Mais uma vez, a leitura de sua poesia, neste novo livro, me dá a clara esperança de que há uma nova geração de poetas, preocupada em escrever não apenas com os sentidos, mas com a responsabilidade estética, sem descuidar da técnica, sem menosprezar a forma, sem transigir com relação ao conteúdo. Você tem domínio da linguagem, não se perde em desnecessárias deambulações estilísticas, é signatário de um texto contido, enxuto, que comunica objetivamente. Com Os Olhos do Silêncio, podemos enxergar uma nova fronteira na sua produção, pois como bem realçou o agudíssimo Caio Porfírio Carneiro, és lavrador de uma poesia totalizante, porque autêntico garimpeiro da alma e da vida, alcançando plena universalidade em seus temas." 

 

Por Írmã Marisa Fillet Bueloni (São Paulo-SP): 

 

"Dílson, sua poesia é quase calmaria... Vai despertando nossa alma para aquelas imagens interiores que todos construímos ao longo da vida... Um amanhecer, o céu rasgado de cores, a escuridão, os sinos, as tempestades, as palavras secas, os relógios, as horas e nossa insubmissa ansiedade..." 


Por Fernando Sabino (São Paulo-SP): 

 

"Li seu livro de poemas com o maior interesse e encantamento, porque  se trata de uma obra de merecido sucesso literário." 

 

Por Alcenor Candeira Filho (Parnaíba-PI): 

 

"No ano passado, tive a satisfação de ler Colméia do Concreto, que reúne também poemas de sua autoria. Se o livro publicado em l997 me causou boa impressão, este, que agora li, veio renovar – renovar e fortalecer minha admiração pelo jovem poeta, criador de poemas curtos que encerram grandes mensagens, através de uma linguagem despojada e simples, impregnada de comovente poesia." 


Por Cláudio Bastos (Belo Horizonte-BH): 

 

"Os Olhos do Silêncio se me afigura diferente, porquanto representa a obra de um poeta consagrado pela crítica. Para mim, é obra de uma leveza extraordinária para quem a lê e de uma profundidade marcante por seu conteúdo." 

 

Por Clóvis Moura (São Paulo-SP): 

 

"Sua poesia demonstra a possibilidade de unir-se imaginação a uma preocupação com novas formas de expressão poética. Você procura descobrir uma nova forma de rearticulação da linguagem que o liga a toda a tradição vanguardista de cada literatura. Esta rearticulação da linguagem e forma nada tem com a atual modernidade, pelo contrário, demonstra que a poesia tem uma linguagem cada vez mais universal, e, paradoxalmente, cada vez mais nacional."

 

 

e)Fortuna crítica sobre O Sabor dos Sentidos

Tal vez talvez

Ricardo Araújo

No campo da poesia, pode-se aplicar uma máxima que é inversamente proporcional a um piedoso ditado popular: “de boas intenções o inferno está cheio!”. Na poesia, ao contrário da regra religiosa, a intenção faz a diferença, ou seja, o resultado é uma projeção de uma boa intenção que tal vez não leve ao ápice, ao céu da poesia, mas que se incorpora à tradição de toda poesia, da poesia no sentido mais amplo, mais lato possível. Estas linhas iniciais são apenas divagações sobre o que penso particularmente de poesia.

E, antes de julgarmos, pré-julgarmos um fenômeno cuja gênese não conhecemos de todo, faz-se mister tentar entender os jogos, as articulações, as proposições de um material que surge, que se forma a partir de uma espécie de “fiat lux” momentâneo, com pretensões de cristalização em uma forma mais ampla e assumindo sem nenhum escândalo, mas com um certo ti ti ti, o lugar devido. Assim é a poesia, a forma ampla, lata, dos formatos individuais, das células-poemas que a compõe.

A poesia está para a peça individual do poema, assim como o poema está para a forma da poesia. Quando surge um novo poema, toda a poesia, em sentido amplo, lato, genérico se reorganiza para re-acomodar a novíssima forma. A forma da poesia é a imagem do ser incompleto, da qual o poema é a força dinâmica que aponta para a sua potencialidade e para a sua possibilidade atual. Sua “forma” está em sempre adquirir uma outra “forma” graças à “forma” específica do poema. O poema é, portanto, o recorte específico da “forma” da poesia. O poema é aspecto concreto, substrato, e irreversível de uma “forma” que nunca se “forma” plenamente porque sua ambição, sua expressão está em uma “forma” que se revela sempre no futuro.

Voltemos ao raciocínio original: na poesia o que vale é a intenção. Intenção enquanto ação mais tensão: poesia. O resultado específico dessa equação: poema. O poema é o resultado de uma forma não definida. Portanto, a poesia enquanto intenção tem existência, mas não existe concretamente. Seu existir depende de uma coisa que sempre irá existir, ou seja, a confecção individual do poema. O ser da poesia está no existir do poema. Temos a explicação desse fenômeno em uma brincadeira infantil que mais parece uma parábola poética. Todos devem lembrar a brincadeira infantil que apresenta a seguinte música: “vamos passear na praia enquanto Seu Lobo não vem”. A poesia é este ato de passear na praia que, na linguagem da criança, só serve como não momento, não tensão, não existência. Somente quando se grita “está pronto, Seu Lobo?” é que se passa concretamente a existir na brincadeira. É neste momento que a existência se encontra consigo mesma na existência do outro. Assim, quando ocorre a pergunta numinosa que o poeta faz para sua própria existência é que se tem a poesia propriamente dita: “está pronto seu poema?”. A partir daí, a poesia passa a ter existência na existência do poema.

Mas o que estas divagações tem em comum com a poesia de Dilson Lages? Ora, os poemas de “O Sabor dos Sentidos” estão carregadas destas marcas de intencionalidades, cuja fonte reside nas imagens sinestésicas que o poeta emprega com muita originalidade e que apontam para um dos principais artifícios da poesia, a metáfora. A poesia de Dilson Lages, melhor os poemas, estão prenhes destes recursos.

Esta inclinação pessoana é retomada nos versos do poema “A Nudez da Madrugada”. Nos dois primeiros versos imagens antitéticas se complementam em uma proposição verdadeira no campo da imaginação. A seguir a temporalidade noite –“do homem que vaga na noite”-, que inicia o poema, passa paradoxalmente, para dia – “a madrugada se molha de chuva”, apontando novamente para a junção de antinomais. Este exercício de “coincidentia opositorum” culmina com a solução existencial das possibilidades de miríades de seres estarem contidas em apenas um ser. Neste poema, o último terceto propõe uma permuta de sensações entre seres ou coisas que se transforma em seguida em jogo metafórico: “A madrugada se molha de chuva/e o devaneio despe os passos/ do homem que sendo muitos é ninguém”. Temos uma troca de sensações que paulatinamente se transforma em mudança de sentidos ou de existencialidade. No caso dos versos aludidos, o resultado é uma espécie de máxima pessoana expressa na dicotomia “muitos/ninguém”.

A poesia de Dílson Lages, portanto, tenta recuperar através do sentidos “O sabor das imagens” (sic), propondo novas associações de imagens e aumentando, ampliando o horizonte de possibilidades metafóricas, ou seja, Lages cria novas metáforas buscando ilações inusitadas e auscultando os diversos sons provenientes destes seres peculiares que integram a personalidade humana de cada um de nós. De novo, recuperamos, como no jogo infantil, a tensão, a espera, a surpresa proveniente do momento em que a existência se faz presente: “está pronto, Seu Lobo” eqüivale, neste sentido, à passagem da poesia para o poema. Ou: se se entende com palavras o que se imagina: Tal vez, talvez.

  Ricardo Araújo é poeta, professor de Teoria Literária da Universidade de Brasília e pós-doutor em Semiótica pela  PUC-SP. Ensaísta, autor de Poesia visual, vídeo poesia, pela editora Perspectiva.

 

 

A razão e o delírio em O Sabor dos Sentidos, de Dílson Lages

Wanderson Lima

O filósofo alemão Friedrich Nietzsche prestou relevante serviço à Estética quando em sua obra “O Nascimento da Tragédia no Espírito da Música” contrapôs o apolíneo e o dionisíaco, tomando por base os arquétipos dos deuses gregos Apolo (a Razão, o Equilíbrio) e Dionísio (a Imaginação, a Loucura).

Partindo desta distinção estabelecida por Nietzsche, podemos dizer que, na história da arte e da literatura, há períodos de franca inclinação apolínea, como o Classicismo e o Realismo e outros de tendência dionisíaca, como Romantismo e o Simbolismo. Haveria, também, períodos de síntese entre o espírito apolíneo e o dionisíaco, como o Modernismo.

Mas em que este paradigma nietzschiano nos servirá para compreender a poesia de Dílson Lages? É fácil responder: a refinada poética do autor de “O Sabor dos Sentidos” funde, paradoxal e magistralmente, o elemento apolíneo (isto é, a sobriedade, a harmonia e a ordem) com o elemento dionisíaco (a imaginação, a música e o delírio).

Dílson Lages é um poeta da linhagem de João Cabral e Paul Valéry: um “algebrista a serviço de um sonhador refinado”. Dílson não faz versos ao sabor de epiteliais devaneios líricos nem tão pouco é um daqueles poetas cerebrais, mero preenchedor de formas ou arquiteto de brinquedos mais ou menos engenhosos. Dílson inspira e transpira, trabalha e delira, ergue um altar ao deus Apolo e outro ao deus Dionísio:

ALMA(DES)ENCONTRADADA

Arranquei os espinhos do teu corpo
com os dentes
e lambi meus lábios
com os tentáculos de minhas mãos vazias.

 

Arranquei os dentes de teus espinhos
e pisei as tuas curvas de serpente
que me furaram a pele
e me deixaram surdo.

 

Arranquei o corpo dos teus espinhos
e a essência do teu perfume
cegou-me o ego.

 

Arranquei os espinhos do teu corpo
com os dentes
e tento sair do labirinto
de não ser mais eu.

Não nos é difícil aproximar o Dílson de “O sabor dos Sentidos” (e também o do livro anterior, “Os Olhos do Silêncio”) do João Cabral de Melo Neto de “Pedra do Sono” e de “O Engenheiro”: percebemos em ambos que a profusão de imagens desconcertantes não são “vomitadas” ao bel-prazer, como faria um surrealista típico, mas que, por espantoso que seja, são rigorosamente pensadas e construídas. Fazer com que Apolo e Dionísio andem de braços dados a serviço do desvelamento do ser – eis o milagre que a poesia de vates como Dílson Lages é capaz de obrar.

Não obstante a pouca idade, Dílson Lages é arguto e experimentado (além de poeta, é um notório professor-pesquisador) e já sabe o que muitos poetastros sentimentalóides ou pseudo-socialistas estão longe de saber: que a poesia empobrece à medida que se torna confissão ou lição de moral. O poeta de “O Sabor dos Sentidos” recusa-se ao tom didático, edificante e professoral: ele sabe que a poesia – como disse uma vez Manoel de Barros – é para “desexplicar”, isto é, ela tinge a realidade de mistério, revelando que nem tudo que existe entre o céu e a terra pode ser desvelado pela nossa vã filosofia.

Dílson Lages não explica: complica. Graças a Deus! À maneira dos poetas expressionistas, ele primeiro constrói a imagem, o sentido vem depois. A conseqüência disso é que sua poesia atinge um alto grau de ambiguidade, possibilitando várias leituras e exigindo um leitor ativo e corajoso, que se predisponha a viajar “por mares nunca dantes navegados”:

SINESTESIA
A minha face se refaz
nas pedras das tuas palavras
e o suor segue os trilhos
das nossas almas incertas.

 

No caminho
as trevas descortinam
as vestes do inconsciente
e liberta o medo que nos apavora.

 

Somos criatura da noite
devorando a dor
que nos alimenta.

 

E os defeitos
desfeitos de todos os sons
diluem-se na confusão 
dos sentidos.

 

É claro que alguns espíritos pragmáticos, acomodados aos vôos rasos da imaginação burguesa, logo acusarão Dílson Lages de hermético. Mas o hermetismo em Dílson não é defeito. Nosso vate é senhor de seus recursos e escreve sempre em linguagem simples e concisa, evitando o uso de vocábulos eruditos. Seu hermetismo é conseqüência da originalidade de suas metáforas e da maneira sutil e inusitada como aborda velhos temas como o amor, o erotismo, os conflitos do eu, a memória da infância e o apego à paisagem da terra natal. O hermetismo na poética de Dílson é, enfim, o mesmo de Rainer Maria Rilke, Pablo Neruda, Eugênio Montale e Mário Faustino.

Dentro desta breve explanação, não poderia deixar de tocar em dois outros pontos da poesia de Dílson Lages em “O Sabor dos Sentidos”. O primeiro deles é a ”pansensualização” que se percebe ao longo de quase toda a obra, inclusive em poemas que se distanciam da temática amorosa. Eis um exemplo nesta estrofe de “Tal vez”:

“Um dia talvez
a tarde se deite
debaixo de meu lençol
e o corpo do tempo
seja o seio
que seguro
em minhas mãos”.

O segundo ponto relevante de que gostaria de tecer breve comentário é sobre a presença do sensacionismo da primeira à última página de “O Sabor dos sentidos”. Neste ponto, Dílson Lages é exímio continuador de uma tradição que em língua portuguesa encontrou no heterônimo pessoano Alberto Caeiro e em Almada Negreiros suas mais altas expressões. É Caeiro, aliás, que empresta epígrafe ao livro:

“Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as mãos e os pés
E com o nariz e a boca”

Esta epígrafe foi inteligentemente escolhida, porque prepara o leitor para o delírio sensorial que ele irá encontrar em todo o livro, como bem nos mostram estas estrofes de

“Permanência”:

“Meu nariz não respira
o cair da tua presença
como sombra de meus passos
nem o olfato fala
teu cheiro de flores do campo.

 

Meus olhos não degustam 
a grama da cama macia
e o paladar mastiga os lábios
sem engolir o gosto
dos beijos de açúcar.”

Com “O Sabor dos Sentidos”, Dílson Lages reafirma o título de maior poeta de sua geração, o Milenismo, como a chamou Herculano de Moraes.

Manoel de Barros diz, em um de seus célebres poemas, que “os poetas devem aumentar o mundo com suas metáforas”. Pois tenham certeza de que o mundo está bem maior agora, graças a esse suculento “O Sabor dos Sentidos”, fruto do labor apolíneo e do delírio dionisíaco do vate Dílson Lages.

Wanderson Lima é poeta, doutor em Literatura e  professor da Universidade Estadual do Piauí.


O Sabor dos Sentidos

Francisco Miguel de Moura

O sabor dos sentidos é o sabor da linguagem primeira, própria da arte. Nome mais próprio não haveria para o livro de Dílson Lages Monteiro, que explode no segundo poema com o verso: “se os pulsos param a garganta...”

Mas assim é que começa o livro, no poema “Terapia”, que talvez nem seja o melhor embora seja o mais denso do ponto de vista de imagens superpostas: “Consigo ver nos seus olhos / neles me vejo / como quem vê a si no silêncio.”

Ora, quem acha que nos três versos não há poesia é porque não tem mesmos olhos/ouvidos/pele para os sentimentos. Ver no que vê é ver nos olhos – semelhança; ver-se neles não é ver apenas o objeto, mas ver também o sujeito; a comparação final (do verso) excele por causa da sibilação da palavra “silêncio” e do “si” que, em si, já é silencioso – comparação de sons, comparação de sentidos. Poderia dizer de outro modo, em vocabulário técnico, mas prefiro a palavra comum para que seja por todos os leitores compreendido.

Logo na segunda estrofe, “consigo ser” em contraste com “consigo ver” da primeira. “Ser o sal dos sentidos” é uma metáfora sinestésica que garante também a eufonia da frase, sua musicalidade, sua plenitude, tudo o que o leitor inteligente quer para gostar e guardar.

Caminhando mais, vejamos o “consigo tocar a lucidez...” , outra imagem, agora cenestésica de quem se olha nos outros e assim pode se ver olhado: o toque, o objeto, a vida sentida por todos os sentidos, especialmente por aquele que “nos atira à areia.”

Final do poema: inicia o verso da última estrofe um “consigo” transformado de um verbo anterior em pronome pessoal transferido e transferidor, como pássaro que voa de um a outro ente, de um a outro amante, na eterna evasão de brincar do “tiro ao alvo” que é a própria vida: seus mitos, o astro e o rei e a mão que faz a poesia e constrói com o pensamento todos os demais mitos.

Num estilo elegante, conciso, harmonioso e correto, denuncia logo o professor que há por trás do poeta. Se isto por um lado é muito bom por causa do conhecimento dos recursos da língua, por outro lado pode ser uma faca de dois gumes, deixando o poeta à mercê dos tropos que aprendeu e vir a repetir-se constantemente.

Eis aqui as poucas e breves palavras da análise de apenas um poema, se bem que o inicial, de “O sabor dos sentidos” (e dos dissentidos também), do recente livro do jovem poeta Dílson Lages, que vai na vanguarda de nossa poesia. E, pelo que sei, esse não é o da sua estréia, portanto poeta jovem mas já experiente. Uma explicação quase que escolar do poema “Terapia” = poesia, amor, canção, vida.

Poderia ter me valido de qualquer poema do livro, do começo, do meio ou do fim, seria mais ou menos igual o resultado. Cheio de metáforas visuais, auditivas ou de linguagem-pensamento, quase repleto de outras figuras, as mais sensíveis, de sons e silêncios, de dor e alívio, de belezas (singelas ou ásperas), mas sempre poesia, dentro do poema-pérola, de tal forma que ninguém sabe avaliar qual o melhor porque todos o são.

Neste livro, Dílson Lages é um verdadeiro poeta na forma em que Ezra Pound compreende como a grande literatura: “linguagem carregada de sentido, no mais alto grau possível”, daí a polivalência e a superposição de imagens e tropos, metáforas e metonímias. Dílson Lages é, aqui, um verdadeiro poeta, e creio que o foi nos demais. Só temo pelo esgotamento dessa fonte. Só temo que a certeza do crítico e do professor quebre o ímpeto do poeta na busca de imagens e símbolos sempre ousados, cada vez mais distintos.

Neste ponto, quero que não me tome por mal, mas acho que já há tempo suficiente para ir diversificando seu rumo, de aplicar mais variedade a seu estilo muito denso e por isto mesmo já sem espaço para crescer, pelo menos nessa linha.

No entanto, é bom acreditar que o poeta é também um mágico e certamente encontrará saída para os seus dilemas.

Portanto, parabéns, poeta. Nem sempre a doçura nos importa, pois nós somos o sal da terra, o sal da lágrima, o sal de tudo.

Francisco Miguel de Moura é escritor e membro do Conselho de Cultura e da Academia Piauiense de Letras. 

 

f)Excertos da fortuna crítica de Colmeia de Concreto

Herculano Moraes (Teresina-PI):

              Dílson Lages Monteiro e o poder dos símbolos             

 

            A geração do terceiro milênio já não está apenas ensaiando passo em direção ao futuro, mas fixando com segurança as marcas de estilos que se definem no contexto das letras piauienses.

            Dílson Lages Monteiro estreou em 1995, com +Hum – Poemas, refletindo as inquietações da juventude diante do quadro e instabilidade política e social do país, à procura de alternativas para recompor os tecidos necrosados da sociedade.

Era ainda uma poesia experimental, tímida, de contornos juvenis, engajada, social e lírica.

            Sem perder as motivações iniciais, o poeta retorna com este Colméia de Concreto, retomando a temática, mas projetando uma visão amadurecida dos problemas existenciais, na redescoberta de valores onde a linguagem é o instrumento vivo do discurso poético:

 

            Apenas rejeito o açúcar das rimas

            Que acalenta o suicídio dos mortais.

                                                                       (“Na superfície”)

 

            O laboratório poético o conduz a novas descobertas, à expressão exata, concisa, segura, a consagrar o poema:

 

            Sem que ninguém ouça

            Sou a voz das águas

            Multiplicadas

            Quando o sol fecha a cara

            Com vontade de dormir.

                                                           (“Liberal”)

 

            A poesia do milenismo, como é fácil observar pelo poder de Dílson Lages Monteiro, tem o signo da reconquista e da reconstrução. Debruça-se sobre as perplexidades do tempo vivido, dos paradoxos e dos desencontros, e se prolonga na expectativa do sonho, nas paráfrases da reconstituição da forma e da essência.

            O mito poético não se destrói, mas a natureza criativa do poeta o induz a reconstruir os signos da fala. E então a sua poesia se impõe como fruto da razão construtiva:

 

            Inconscientemente

            Os caminhos cortam o campo.

                                                           (“Incêndio”)

 

            Muito mais do que a projeção dos flagrantes da memória, a poesia de Dílson Lages Monteiro instaura o poder dos símbolos, a metáfora conduzindo o fio da palavra.

            Os temas reproduzem os instantes de inquietação, as dúvidas ocasionais, ao amores nas tardes calorentas de Teresina.

            A expressão poética se impõe pelo domínio do processo laboral.

            E Dílson Lages Monteiro se faz presente na história da literatura, não mais como esperança, mas como uma realidade definitiva.

 

Herculano Moraes

Da Academia Piauiense de Letras

Da Academia de Letras do Vale do Longá

Da Academia de Letras do Médio Parnaíba


José Ribamar Garcia (Rio de Janeiro-RJ):

 

"Sua poesia reflete a excitação preocupante da alma humana, numa sociedade de desigualdades sociais. E dos desencontros frustrantes de quem chega antes ou depois – deixando sempre a expectativa de que podia ser possível. E dito numa linguagem objetiva e contundente, mas sem perder a beleza. Daí a graça de sua poesia" 


Carlos Evandro Martins Eulálio (Teresina-PI): 

 

"A poesia de Dílson se pauta por um estilo objetivo, direto, substantivo. A sentimentalidade é pulverizada pela subjetividade, o que mostra o trabalho racional e inteligente de sua poesia". 

 

Carlos Carvalho (Teresina-PI): 

Os poemas de Dílson Lages deixam transparecer uma"angústia existencial", um desejo incessante de ser, de passar de potência a ato, do sonho à realização.

O tempo (cronológico) é marcado através do ontem (passado) em busca de uma realização presente ou futura. É a vontade espreitando o fato, é o desejo de voar, de acordar para a vida, de realizar o poema que ainda não foi feito, de viver os sonhos e de encontrar a palavra! Estas vontades latentes não se concretizam, não se tornam realidade, há algo que impede a realização e que o eu-poético não sabe explicar. O que faz com que o destino desista e se reduza ao vazio? Por que o florescer das rosas é interrompido? Tudo é constatado, mas não fica explicado.

Talvez, a redução do desejo seja causada pelo conflito entre os resquícios de religiosidade que quer aflorar. É o querer pulsando e tentando sugar o máximo do que o dia pode proporcionar. Porém, a sensação de vitalidade e de desejo de mudança perde a força ao entardecer e "o sol fecha a cara", impossibilitando transformações reais.

Em alguns poemas, a figura feminina aparece de forma ambígua, ou seja como uma deusa e noiva ou como serpente e maliciosa. É a mulher vista como ser com características sacras e profanas.

Além do que foi dito, muitos detalhes poderiam ser observados nos poemas de Dílson, em função da variedade de cenas que aparecem como retratos do cotidiano, misturados a um "afã interno" composto por dúvidas e insatisfações. Porém, quero enfatizar a sensação do "querer-viver" que é passada para o leitor e a ansiedade que este sente durante todo o livro "Colméia de Concreto", esperando um extravasar, um final hedonista, um grito alucinante que, feliz ou infelizmente, não acontece!

 

Ronaldo Cagiano (São Paulo-SP): 

“É sempre um prazer estético ler coisas boas, feitas com estilo, talento e paixão. Sua obra é um libelo contra esse mundo permeado de inquietações. Trabalho enxuto, sem literatices desnecessárias, calcado num estilo vigoroso, rico em imagens colhidas do cotidiano, através do que o poeta realiza seu canto de exploração dos múltiplos sentimentos e observações humanas. Em meio à proliferação da subliteratura no Brasil, “Colmeia de Concreto sobressai, porque resguarda o valor da linguagem, valorizando a literatura naquilo que ela tem de mais sagrado: a comunicação”. 


Hardi Filho (Teresina-PI): 

“Colmeia de Concreto é título adequado para um conjunto de poemas que menos dizem e mais sugerem, ou seja, poemas em linguagem valorizada nos seus múltiplos sentidos. O contrastante fica por conta da cadência, do ritmo e da aparente fragilidade ou tristeza do ser em face do incomensurável.

Dílson Lages Monteiro vai fazendo os seus poemas às vezes simples pensamentos, de conteúdo variado e clima de virtualidade impessoal ameno, agradáveis ao espírito por favorecerem à compreensão do complexo que é o sentir humano”.



Luís Carlos Marques (São Paulo-SP): 

 

“Li alguns poemas de “Colmeia de Concreto” e gostei do resultado. Existe algo de paz e tranqüilidade na sua poesia”. 

 

Gaitano Antonaccio (Manaus-AM): 

 

“Parabéns pela gama de poesias ecléticas e pelos temas diversificados, o que tornou o trabalho interessante, sem cansar seus leitores e surpreendendo pelas temáticas”. 

Fernando PY (Petrópolis-RJ): 

Colmeia de Concreto, de Dílson Lages Monteiro. O poeta possui a vantagem de uma dicção contida, de um quase anti-verso. (...) No todo, para um poeta de apenas 25 anos, o livro é de fato alentador”